Privações

Durante anos, o Brasil sofreu a privação do Frank Sinatra. Passava ano, passava ano, e o Frank Sinatra não vinha. Nossa maior angústia era com o tempo: se demorasse muito para vir, o Frank Sinatra, quando viesse, não seria mais o mesmo. Poderia não ter mais a grande voz, ou ser uma múmia de si mesmo. Por que o Frank Sinatra não vinha ao Brasil enquanto era tempo? E, finalmente, o Frank Sinatra veio ao Brasil. E a espera, concordaram todos, tinha valido a pena. Sinatra cantou no Rio Palace para endinheirados e no Maracanã, para uma multidão. Sua voz era a mesma dos bons tempos, apenas envelhecida em toneis de carvalho como um bom bourbon. O Brasil agradeceu a Sinatra com o maior público da sua carreira. E ficou feliz.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2016 | 03h00

Vivemos, há anos, outra privação, talvez não tão pungente: o Brasil jamais ganhou um Nobel de Literatura. Portugal já ganhou, com o Saramago, mas o Brasil nunca. E tivemos bons candidatos ao prêmio. Faça a sua própria lista. A minha incluiria Guimarães Rosa, entre outros romancistas. Clarice Lispector, por que não? Para ficar só nos poetas, Manuel Bandeira, João Cabral e, talvez o mais merecedor de todos, Carlos Drummond de Andrade. Mas a Academia Sueca nunca olhou para cá. Seus critérios são misteriosos. Dizem que o júri para o prêmio de literatura se reúne só uma vez, bota os nomes dos escritores mais obscuros de que podem se lembrar dentro de um chapéu e o nome que sair será o escolhido. Exagero ressentido, claro. Às vezes, o premiado é conhecido por mais de dezessete pessoas, às vezes merece o prêmio mesmo sem ser conhecido. Mas o fato é que Tolstoi, Marcel Proust, James Joyce, Virginia Woolf, Jorge Luis Borges, Vladimir Nabokov e muitos outros nunca foram lembrados.

A academia sueca tende para um certo exibicionismo nas suas escolhas surpreendentes. Agora, se superou. Deu o prêmio de literatura a um compositor. Nada contra. Bob Dylan é um belo poeta, embora eu ache que Bruce Springsteen faz o mesmo trabalho com mais pegada. (Confesso que nunca gostei muito da voz fanhosa do Dylan, o que, claro, prejudicou a apreciação das suas letras). E, se a academia sueca está anunciando um precedente ao premiar letras de músicas como literatura, crescem as chances do Brasil, finalmente, ganhar um Nobel. Temos Chico Buarque e Caetano Veloso e alguns outros poetas musicais. Ponham o nome deles no chapéu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.