Príncipe Charles e Liz Hurley trabalham em alimentos orgânicos

Atriz e herdeiro britânico irão produzir carnes e grãos, que serão vendidos através da empresa de Charles

Reurtes e Efe,

30 Março 2009 | 13h08

A atriz britânica Liz Hurley está formando uma parceria com o príncipe Charles, defensor da ideia de estilos de vida sustentáveis, para lançar em outubro uma linha de alimentos orgânicos. O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 30, por uma representante de Liz e pela Duchy Originals, a empresa de alimentos orgânicos do herdeiro da coroa britânica.

A linha de carnes e grãos produzidos na fazenda orgânica de 162 hectares que Liz tem em Gloucestershire, no sudoeste da Inglaterra, será vendida pela Duchy Originals. Ela vai incluir carnes de porco, aves, carneiro e carne bovina hoje vendidas em feiras locais de produtores, além de grãos orgânicos colhidos na fazenda da modelo e atriz.

Liz, estrela dos filmes Austin Powers, disse que se sentiu inspirada pelo príncipe de Gales devido a sua crença na importância da agricultura orgânica e seu compromisso em proteger a zona rural inglesa. "Sinto-me honrada e estou extremamente entusiasmada pelos produtos que estamos desenvolvendo em conjunto", acrescentou Liz em comunicado, que já colabora com alguns dos maiores restaurantes do Reino Unido.

 

O diretor-executivo da companhia, Andrew Baker, expressou sua satisfação por "ter a oportunidade de trabalhar neste estimulante projeto" e disse que os produtos devem estar nos mercados a partir de outubro. Outro representante da Duchy Originals afirmou que "o príncipe está a par de todas nossas estratégias, portanto conhece esta colaboração".

Fundada por Charles em 1990 para promover os alimentos e a agricultura orgânicos, a Duchy Originals vende mais de 200 alimentos tipicamente britânicos. Todos os lucros são revertidos para obras de caridade. No início deste mês a empresa rejeitou acusações de praticar charlatanismo, pelo fato de ter promovido uma tintura para desintoxicação alimentar feita de alcachofra e dente-de-leão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.