1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Pichador da Igreja da Pampulha é identificado

- Atualizado: 24 Março 2016 | 15h 29

Homem de 25 anos foi o autor das pichações feitas na Igreja de São Francisco de Assis

Belo Horizonte - Um homem de 25 anos, Mário Augusto Faleiro Neto, é o autor das pichações feitas na Igreja de São Francisco de Assis, a chamada Igrejinha da Pampulha, na última segunda-feira (21), conforme investigações da Polícia Civil de Minas Gerais.

O responsável pela depredação do templo se apresentou ontem à corporação, depois de receber intimação em casa, e afirmou que a pichação seria um protesto contra o rompimento da barragem da Samarco em Mariana, em 5 de novembro. Disse ainda que não sabia que a igreja era tombada pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artísitico Nacional (Iphan).

A pichação foi feita em um painel externo de Cândido Portinari sobre São Francisco e em paredes da igreja. Na terça-feira, técnicos do Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG) estiveram no templo para repassar à Arquidiocese de Belo Horizonte instruções para a retirada da pichação.

A igrejinha de São Francisco de Assis, na Pampulha
A igrejinha de São Francisco de Assis, na Pampulha

O monumento faz parte do Conjunto da Pampulha, planejado por Oscar Niemeyer, do qual fazem parte ainda a Casa do Baile, o Iate Tênis Clube e o Museu de Arte. O complexo concorre para se transformar em patrimônio cultural da humanidade pela Unesco. Porém, obras realizadas no Iate Tênis Clube poderão ter que ser removidas para a concessão do título. O Conjunto da Pampulha foi construído em 1943 a pedido do então prefeito da cidade, Juscelino Kubitschek.

A polícia chegou ao autor da pichação por pistas deixadas nas redes sociais e por informações de uma testemunha. Depredações semelhantes foram localizadas em outros pontos da cidade. Segundo o delegado Murillo Lima, da Divisão Especializada em Crimes ao Meio Ambiente da Polícia Civil, o argumento utilizado por Mário Augusto, de que a pichação seria um protesto pela tragédia em Mariana não teria procedência. Conforme o delegado, nenhuma outra ação de Mário Augusto teria qualquer motivação ideológica. “O suspeito será indiciado por dano ao patrimônio público, com agravante por se tratar de uma obra de patrimônio histórico-cultural. A pena é de seis meses a um ano de detenção”, afirmou o delegado Aloísio Fagundes, também responsável pelas investigações. Depois do depoimento, Mário Augusto foi liberado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX