1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Pesquisa traça perfil de personagem da literatura brasileira

Agencia Estado

12 Junho 2007 | 03h 43

Mulheres, negros, homossexuais e pobres aparecem menos atualmente

Homem branco, heterossexual, intelectualizado, sem deficiências físicas ou doenças crônicas, membro da classe média e morador de grande centro urbano - não, não se trata de um anúncio para relacionamentos, mas o perfil principal das personagens contemporâneas do romance brasileiro, segundo uma pesquisa realizada em Brasília. Durante vários meses, a partir de 2003, a professora Regina Dalcastagnè, do Departamento de Teoria Literária e Literaturas da Universidade de Brasília, comandou uma equipe de alunos que, debruçada sobre diversos livros de autores nacionais, conseguiu moldar o personagem mais comum da literatura brasileira. A polêmica conclusão (já há autor torcendo o nariz) será tema de um debate que ocorre nesta quarta-feira, 6, às 10 horas, no Itaú Cultural, iniciando o projeto Encontros de Interrogação. Na palestra, Regina vai ser questionada pelos escritores Cristóvão Tezza e Maria José Silveira. Oportunidade para ela comentar sobre a metodologia do trabalho - a pesquisa fez uma espécie de recenseamento das personagens dos principais romances publicados no Brasil entre 1965-1979 e 1990-2004 pelas editoras mais importantes dos dois períodos: Civilização Brasileira e José Olympio para o primeiro intervalo e Companhia das Letras, Record e Rocco para o segundo. Foram estudadas, ao todo, 1.754 personagens de 389 romances, escritos por 242 autores diferentes. "Nosso objetivo foi comparar a época atual com o período marcado pela ditadura militar", comenta Regina. "Daí a ausência dos anos 1980, que poderão inspirar uma outra pesquisa." O perfil dos autores se aproxima do dos personagens: em sua maioria homens, brancos, moradores do Rio de Janeiro e São Paulo e com profissões já ligadas ao domínio do discurso, como jornalista e professor universitário. "Dados importantes para se entender o enfoque do conjunto das narrativas atuais", comenta Regina, para quem a literatura é mais um discurso na formulação da ideologia de uma sociedade. "O romance brasileiro possui como chão o Brasil contemporâneo. Ou seja, nosso universo literário é bastante limitado e excludente, assim como é reduzida a variedade de perspectivas sociais entre nossos escritores." Pobres perdem espaço É o que explica, por exemplo, a pequena representação das personagens femininas, porcentagem que é menor no período 1990-2004, quando as mulheres aumentam sua participação apenas na posição de narradoras, mas são menos protagonistas das tramas do que antes. Uma das justificativas, no entender da pesquisadora, foi a eclosão do feminismo - apesar do aumento no número de escritoras, os homens sentiram-se retraídos. "Houve um certo constrangimento e os autores entenderam que a mulher poderia ela mesma dizer o que pensava, o que provocou um recuo na quantidade de personagens." Ou seja, o romance brasileiro hoje conta com mais autoras e, ao mesmo tempo, elas se sentem mais à vontade para criar personagens do sexo masculino. Entre 1965-1979 e 1990-2004, os pobres perdem espaço no romance brasileiro, que se concentra ainda mais nas classes médias e, ao mesmo tempo, dá mais espaço a personagens das elites econômicas. "É importante notar como a literatura se distancia dos problemas sociais, ignorando também os negros e os homossexuais", comenta Regina. "E, quando esses aparecem, são de forma estereotipada, o que aproxima o romance da telenovela." A pesquisadora, que contou com uma bolsa do CNPq, notou ainda a ausência de características que marcam profundamente a rotina do brasileiro: quase não há, por exemplo, citações sobre futebol, carnaval e religião. Assim, apesar de ser muito referencial (o Brasil retratado é o atual) o que lhe confere um caráter realista, o romance traz personagens pouco realistas. "É como se o cenário das histórias fosse uma reprodução fiel da realidade, enquanto as figuras que ali se situam não são." Nova dinâmica Há, é claro, exceções, mesmo que na valorização de detalhes. Sérgio Sant’Anna, por exemplo, sempre revelou a intenção de trabalhar em vários planos além da simples representação do mundo; Milton Hatoum ocupa-se dos problemas enfrentados pelos imigrantes na Amazônia; João Gilberto Noll preocupa-se também com os homossexuais; e Ferréz retrata o cotidiano de bairro pobre. "São exemplos preciosos, pois o estilo literário hoje tem uma outra dinâmica, apresentando diferenças que podem influenciar a literatura de autores brancos, enriquecendo-a", conta Regina, que percebe as mesmas características no cinema nacional, pesquisa agora em andamento. "Já vimos 150 filmes e o resultado, por enquanto, é semelhante: os personagens são, na maioria, homens brancos de classe média", conta ela, que já concluiu como o tempo verbal das falas reforça as diferenças sociais. "Os personagens negros falam apenas no presente, enquanto os brancos referem-se também ao passado. É como se o branco pudesse pensar e o negro, apenas agir." A palestra de Regina Dalcastagnè abre a segunda edição do Encontros de Interrogação, que vai reunir, até sábado, prosadores, poetas, críticos, pesquisadores e leitores para responder perguntas ou provocar mais dúvidas sobre os sentidos e valores da literatura na produção contemporânea brasileira. O evento também marca o lançamento da Enciclopédia Itaú Cultural de Literatura Brasileira e dos programas de rádio focados na literatura, Escritor-Leitor e Inventário, ambos no novo site da instituição (www.itaucultural.org.br).

  • Tags: