André Lessa/AE
André Lessa/AE

Obras-primas do Museu d'Orsay chegam ao Rio de Janeiro

Impressionismo: Paris e a Modernidade inicia nesta terça-feira, 23, e vai até 13 de janeiro no CCBB

Efe,

22 Outubro 2012 | 19h11

RIO DE JANEIRO - Obras de artistas do impressionismo e pós-impressionismo como Monet, Van Gogh, Manet e Gauguin trazidas do Museu de Orsay de Paris poderão ser vistas no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro de terça-feira, 23, até 13 de janeiro.

As 85 obras estão na mostra Impressionismo: Paris e a Modernidade, que chega ao Rio depois de passar por São Paulo, onde atraiu 320 mil visitantes em 54 dias, segundo os organizadores.

A exposição mostra a influência que a capital francesa teve em meados e no fim do século XIX em todos os pintores que circulavam por lá, como Claude Monet, Vincent Van Gogh, Jules Lefebvre, Edouard Manet, Paul Gauguin, Pierre-Auguste Renoir e Toulousse-Lautrec.

Além dos principais nomes do estilo serão vistas ainda obras de artistas que fugiram de Paris em busca de ambientes tranquilos, escapando do ritmo acelerado da Cidade Luz para levar uma vida mais bucólica.

Assim, a mostra foi dividida em duas partes: a primeira é dedicada à vida urbana e podem ser vistas desde as vistas ao rio Sena e à catedral de Notre Dame retratadas por Camille Pissarro e Gauguin, até as cenas burguesas pintadas por Renoir, passando pelas prostitutas que deleitaram Toulousse-Lautrec.

A outra parte é dedicada a paisagens tão variadas quanto o "Argenteuil" de Monet e o redescobrimento da luz que Cézanne experimentou em "Aix en Provence".

Assim, a curadoria pretende "articular uma história sobre Paris: como se chega à cidade grande, como são introduzidas as novas máquinas, como a população se diverte no lugar e como surge o desencanto, e é preciso fugir da cidade grande para encontrar maior espiritualidade", disse à agência Efe Pablo Jiménez, diretor-geral do Instituto de Cultura da Fundação Mapfre, uma das organizadoras da mostra.

Todas as obras são do Museu de Orsay, dedicado à pintura do século XIX e, sobretudo, à arte impressionista.

A exibição é complementada com um percurso cronológico pelo movimento, atividades educativas e uma mostra de cinema impressionista.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.