Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » O califado petista

Cultura

Cultura

Arnaldo Jabor

O califado petista

As eleições para presidente não serão "normais" - apenas uma disputa entre dois partidos para ver quem fica com o poder. Não. Trata-se de uma batalha entre democratas e não democratas. Está na hora de abrirmos os olhos, porque está em curso o desejo de Dilma e seu partido de tomar o governo para mudar o Estado. Não tenho mais saco para tentar análises políticas sobre a "não política". Não aguento mais tentar ser "sensato" sobre a insensatez. Por isso, só me resta fazer a lista do que considero as doenças infantis do petismo, cuja permanência no poder pode arrasar a sociedade brasileira de forma irreversível.

Arnaldo Jabor

19 Agosto 2014 | 02h06

O petismo tem a compulsão à repetição do que houve em 1963; querem refazer o tempo do Jango, quando não conseguiram levá-lo para uma revolução imaginária, infactível. Os petistas querem a democracia do Comitê Central, o centralismo democrático, o eufemismo que Lenin inventou para controlar Estado e sociedade. Eles não confiam na 'sociedade'; só pensam no Estado, na interferência em tudo, no comportamento dos bancos, nos analistas de mercado e, principalmente, no velho sonho de limitar a liberdade de opinião. Assinam embaixo da frase de Stalin: "As ideias são muito mais poderosas do que as armas. Nós não permitimos que nossos inimigos tenham armas, porque deveríamos permitir que tenham ideias?". Nossa maior doença - o Estado canceroso - será ignorada e terá uma recaída talvez fatal. Não fazem autocrítica e não querem ser criticados. A teimosia de Dilma é total - vai continuar errando com galhardia brizolista. Sua ideologia é falha, mal assimilada nessa correria sindicalista e pelega. Até agora governaram um país capitalista com regras e métodos anticapitalistas - dá no desastre econômico a que assistimos. Eles odeiam a competência. Acham que administrar é coisa de burguês - vejam o estrago atual. Acham que planejam a História, que 'fazem' a História. Por isso, adotaram a mui útil "mentira revolucionária". Assim, podem ocultar tudo da sociedade para o "bem dela". Aliaram-se ao que há de pior entre os reacionários brasileiros e vivem a volúpia de imitá-los, com um adorável 'frisson' perverso ao cometerem malfeitos para "fins justos". Aliás, nem sabem o que são seus "fins"; têm uma vaga ideia de 'projeto' que não passa de um sarapatel de "gramscianismo" vulgar com getulismo tardio e um desenvolvimentismo dos anos 1960. Foi assim que criaram a 'roubalheira de esquerda', que chamam de "desapropriação" de dinheiro da burguesia. Isso justificou o mensalão, feito para eleger Dirceu presidente em 2010. Fracassaram. Aliás, o PT abriga muitos fracassados porque, ao se dizerem "revolucionários" sentem-se superiores a nós, os alienados, os neoliberais, os direitistas, os vendidos ao imperialismo.

Não entendem o mundo atual e continuam com os pressupostos de uma política dos anos 30 na URSS. Leiam os livros do período e constatem se um Gilberto Carvalho não pensa igualzinho ao Molotov. Para eles, a oposição é a união da "burguesia" contra o "povo". No entanto, quem se aliou à pior burguesia patrimonialista foram eles; ou Sarney, Renan, Jucá, Maluf e Severino do macarrão são bolcheviques? Petistas só pensam no passado como vítimas ou no futuro como salvadores e heróis. O presente é ignorado, pois eles não têm reflexão crítica para entendê-lo. Adoram estar num partido que pensa por eles. Dá um alívio não ter de pensar - só obedecer. A mediocridade sonha com o futuro onipotente. A morte súbita de Eduardo Campos pirou os "hegelianozinhos de pacotilha", que descobriram que a História é intempestiva e não obedece ao Rui Falcão. Agora, rumam em massa para Pernambuco para elogiar quem chamavam de 'traidor e menino mimado'.

Querem criar os tais "conselhos" sociais, para adiar os problemas, fingindo uma "humildade democrática" para 'ouvir' a população, de modo a ocultar seu autoritarismo renitente. Vivem a ideia de um futuro socialista como o substituto do sonho de 'imortalidade' dos cristãos. Comunista não morre; vira um conceito. O homem é um ser social, e o 'ser social' nunca morre. Para eles (e para o Kim da Coreia do Norte), o indivíduo é uma ilusão que criou essa dor melodramática. Quem morre é pequeno-burguês. Muitos intelectuais e artistas, que sabem dessas doenças infantis, preferem cavalgar o erro a mudar de ideia. Consola a consciência ter uma estrelinha vermelha pendurada na alma.

Os petistas têm uma visão de mundo deturpada por conceitos compartimentados e acusatórios: luta de classes, vitimização, culpados e inocentes, traidores e traídos. Acham que a complexidade é um complô contra eles, acham a circularidade inevitável da vida uma armação do neoliberalismo internacional. Confundem simplicidade com simplismo. Nunca fazem parte do erro do mundo; sentem-se superiores a nós, tocados pelo dedo de Deus.

Agora, no mundo modificado pelo fim do socialismo real, pelos impasses do Oriente Médio, pela crise financeira do capitalismo, pela revolução digital, sentem falta de uma ideologia que os justifique e absolva. E como não existe nenhuma disponível (social-democracia, nem pensar...), apelam para o tosco bolivarianismo que nos contamina aos poucos. É inacreditável como batem cabeça para ditadores e criminosos, de Ahmadinejad a Maduro, de Putin a Fidel, tudo em volta do fascismo populista de Chávez.

Dilma se acha Brizola, Lula imita Getúlio: nacionalismo, manipulação da liberdade, ódio a estrangeiros, desconfiança dos desejos da sociedade. Nada pior do que o brizolismo-getulista, neste momento do País. Estávamos prontos para decolar no mundo contemporâneo, mas seguraram o avião e voltamos para trás.

Por isso, repito a frase oportuna de Baudrillard: "O comunismo, hoje desintegrado, tornou-se viral, capaz de contaminar o mundo inteiro; não através da ideologia, nem do seu modelo de funcionamento, mas através do seu modelo de desfuncionamento e da desestruturação da vida social".

Este é o perigo.

Mais conteúdo sobre:

publicidade