Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Novo espaço de teatro será o primeiro multiuso de São Paulo

Cultura

Divulgação

Cultura

São Paulo

Novo espaço de teatro será o primeiro multiuso de São Paulo

Com 2.085 lugares, Teatro Santander oferece quatro diferentes possibilidades de configuração graças ao recolhimento das cadeiras

0

Ubiratan Brasil,
O Estado de S. Paulo

20 Março 2016 | 06h00

Ser inaugurado com um musical do naipe do We Will Rock You revelou-se um tremendo desafio para o Teatro Santander, que abre oficialmente suas portas na quinta-feira, dia 24 – até lá, terá havido uma série de apresentações para convidados e patrocinadores.

Com capacidade total para até 2.085 espectadores, o teatro consumiu um investimento superior a R$ 100 milhões bancados pelos grupos WTorre e Iguatemi, com naming rights adquiridos pelo banco espanhol pelo prazo de 12 anos renováveis por mais oito.

Apontado como o primeiro com uso múltiplo em São Paulo, o espaço poderá receber desde grandes musicais, concertos, desfiles de moda, shows e dramaturgia, até eventos corporativos, entre outros, graças a um sistema de recolhimento automático das poltronas e de varas cênicas automatizadas, que permitem a mudança de configuração do espaço em pouco tempo.

“O teatro é um espaço multiuso único no País, com diferenciais de tecnologia e infraestrutura inéditos”, comenta, em material distribuído pela assessoria de imprensa, Rogério Dezembro, CEO da WTorre Entretenimento.

A construção exigiu 60 mil blocos de vidro importados da República Checa e uma iluminação de LED controlada por computador. A fachada do teatro foi projetada pelo arquiteto Edo Rocha. O projeto de desenvolvimento é assinado pelo escritório de arquitetura americano Eskew+Dumez+Ripple (EDR) que, entre outras obras, criou o Acadiana Center for the Arts e o The Shaw Center for the Arts, ambos nos Estados Unidos.

Com a inauguração do Teatro Santander, São Paulo amplia seus espaços capazes de abrigar com eficiência grandes eventos como musicais de porte, que pedem, por exemplo, fosso para orquestra – até então, as produções de maiores proporções se concentram nos teatros Alfa, Bradesco e Renault.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.