Não vou recorrer da sentença de prisão, diz Paris Hilton

Em nota, a socialite de 26 anos pede que a imprensa dê atenção ao Iraque

Agencia Estado

12 Junho 2007 | 04h00

A socialite Paris Hilton disse que não irá recorrer da sentença de 45 dias de prisão por ter violado a condicional e dirigido sem licença nos Estados Unidos. Ela afirma que está "aprendendo e crescendo" neste tempo em que está atrás das grades e quer que a mídia dê atenção a outras coisas, como a Guerra do Iraque. "Hoje, eu disse para meus advogados não recorrerem a decisão judicial", disse Hilton em uma nota divulgada por seu advogado no sábado, 9, Richard A. Hutton. "Eu estimo muito a preocupação do xerife com minha saúde e meu bem-estar". Hutton não respondeu as ligações feitas pela agência Associated Press para verificar a autenticidade da nota, mas outro advogado da socialite afirma que ela é verdadeira. "É verdade", disse Steve Levine. "Eu não irei comentar isto". O psiquiatra de Paris, Charles Sophy, passou mais de duas horas ao lado da jovem na manhã de sábado. A socialite teve de voltar à prisão depois da decisão judicial tomada na sexta. Ela havia sido liberada na quinta-feira por "razões médicas" e cumpriria pena em sua casa. A herdeira da rede de hotéis Hilton e estrela do programa The Simple Life foi escoltada para a sala de audiência, gritando "isto não está certo". "Estar presa é de longe a coisa mais difícil que já fiz na vida", disse Hilton na nota. "Durante estes dias, eu tive muito tempo para pensar e acredito que estou aprendendo e crescendo com esta experiência". A jovem agradeceu os e-mails enviados por seus fãs e disse que ama e sente falta de sua família. "Eu ainda devo dizer que estou chocada com a atenção que está sendo dada para minha prisão pela imprensa, público e oficiais da cidade", conclui a nota. "Eu espero que o público e a imprensa passem a focar assuntos mais importantes como os homens e mulheres que servem nosso país no Iraque e em outros lugares do mundo". Prisão A socialite se apresentou à polícia na última segunda-feira, 4, acompanhada pela mãe, após fazer uma aparição surpresa no tapete vermelho do prêmio de cinema da MTV, no domingo, usando um elegante vestido preto. "Estou tentando ser forte neste momento", disse ela à imprensa, na entrada do prêmio da MTV. "Estou pronta para enfrentar minha sentença e tenho minha família, amigos e seguidores que me apóiam neste momento realmente duro, e isso me ajuda". Paris se apresentou na prisão masculina e de lá foi escoltada para o centro de mulheres em Lynwood, onde foi fichada, teve suas impressões digitais registradas e foi fotografada. Passou também por um exame médico e recebeu uma camiseta a calças de cor alaranjada, conforme contou Steve Whitmore, porta-voz da polícia. Licença suspensa As autoridades determinaram a prisão de Paris em 7 de setembro do ano passado, em Hollywood. No início de janeiro, ela foi sentenciada a 36 meses de liberdade condicional e a um programa educativo sobre os perigos do álcool e teve de pagar US$ 1,5 mil em multas. No dia 15 de janeiro, no entanto, a herdeira da rede de hotéis Hilton foi detida na Califórnia por dirigir com a licença suspensa. Paris teve de assinar um documento em que reconhecia que não poderia, por lei, estar dirigindo, e foi então determinada sua prisão em 27 de fevereiro. Paris, que já esteve nas passarelas e atuou em séries de TV e em filmes, esteve no Brasil em setembro de 2005 quando lançou seu perfume, Paris Hilton Fragrance. Em 2006, resolveu investir na carreira de cantora e lançou, em agosto, seu primeiro CD, que leva seu nome. A socialite ganhou fama internacional quando seu então namorado Rick Solomon postou na internet um vídeo que mostrava os dois fazendo sexo.

Mais conteúdo sobre:
Paris Hilton prisão socialite

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.