1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Na despedida de Resnais, faltou dar crédito ao seu amor às HQs

Morto em março, não foi creditada ao cineasta Alain Resnais sua importância na história dos quadrinhos, certamente devido à alta qualidade de seus filmes. Mas essa relevância é pioneira e começou já em 1962, quando ele fundou o Club des Amis de La Bande Dessinée, na França. Resnais chegou a criar uma revista dedicada ao tema, Giff -Wiff, cujo nome foi escolhido pelo colaborador Jean Claude Forest, autor de Barbarella. Um dos ídolos de Resnais era Dick Tracy. Em O Ano Passado em Marienbad, Resnais baseou seu visual numa sequência dos capítulos domingueiros de Mandrake, intitulado No País de Savessa. Os jardins desenhados por Phil Davis remontavam à perspectiva do Palácio de Versalhes, e a figura ereta, estática e enigmática de Sacha Pitoeff era moldada no mágico dos quadrinhos. O cineasta chegou a fazer uma comédia sobre a devoção dos intelectuais franceses sobre os comics americanos. Uma vez ele foi aos EUA. Al Capp, o grande, perguntou a uma jovem quem era aquele e ela disse: era Resnais, da nouvelle vague. "Pensei que a nouvelle vague era uma história que começava com um casal indo para a cama e, horas depois, discutindo se deveriam ou não ir para a cama", disse Capp.