Morte de Lombardi é lamentada por amigos e colegas da TV

Locutor do SBT, que fazia uma parceria de décadas com o patrão Silvio Santos, morreu em sua casa, em SP

Agência Estado,

02 Dezembro 2009 | 14h22

Amigos e colegas de trabalho foram surpreendidos com a morte repentina do locutor do SBT, Luiz Lombardi Netto, o dono da misteriosa voz que acompanhou o apresentador Silvio Santos por décadas. Lombardi morreu em sua casa, em Santo André, no Grande ABC paulista, na manhã desta quarta, 2, de causa desconhecida. Leia a repercussão sobre sua morte:

 

Veja também:

linkMorre Lombardi, locutor dono da misteriosa voz do SBT

 

Roque - assistente de palco do programa Silvio Santos (SBT) - "O SBT não perdeu um locutor, mas um filho da casa, alguém que convivi por 40 anos, diariamente. Um cara alegre, educado, que sempre botava as pessoas para cima. Não quero ir ao velório, porque não quero ver mais tristeza."

 

Felipe Xavier, locutor e humorista da Rádio Jovem Pan - "Ele fez parte da infância de todo mundo, sua voz marcou gerações. Desde quando fazia A Semana do Presidente, na época do Figueiredo, até os resultados parciais da Telesena. Era engraçado: ele dizia os números tão rápido, que não dava tempo de anotar!"

 

Marco Luque - humorista e apresentador do CQC(Band) - "Desde que me conheço por gente ele está na TV. É uma das vozes mais famosas do Brasil, uma das pessoas mais imitadas pelos humoristas. É estranho agora ver como ele era. Preferia quando ele era invisível. Que ele seja bem recebido no céu."

 

Wellington Muniz (Ceará) - humorista do Pânico na TV (Rede TV!)- "Conheci o Lombardi em 1998, quando ele deu entrevista ao Pânico. E ele falava daquele jeito. Fiquei surpreso com sua morte e doeu pensar na dor do Silvio Santos e de quem trabalhou com ele por 40 anos. Era a voz mais famosa da TV. Uma voz limpa, aveludada. Ele era um pássaro."

 

Carlos Alberto de Nóbrega, apresentador da Praça É Nossa (SBT) - "Era uma pessoa muito boa e educada. Sou são-paulino e ele, palmeirense. Até as piadas dele sobre isso eram educadas, para não magoar."

Mais conteúdo sobre:
Lombardi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.