Morre, aos 85 anos, o ator Paulo Autran

Velório será realizado na Assembléia Legislativa de São Paulo

12 Outubro 2007 | 16h33

 O ator Paulo Autran, de 85 anos, morreu nesta sexta-feira, 12, às 16h10 no Hospital Sírio-Libanês, onde estava internado desde a tarde de quinta-feira, 11. Autran lutava contra um câncer pulmonar havia um ano, período em que esteve internado por três vezes.   Veja também: Brasil se despede de Paulo Autran; corpo é velado em SP Paulo Autran, lenda dos palcos brasileiros  Paulo Autran: uma vida dedicada ao teatro Ouça a homenagem da Rádio Eldorado ao ator Paulo Autran  Em entrevista, Autran lamenta fim da carreira Web guarda grandes momentos do 'Senhor dos Palcos'  Antônio Petrin e Cláudio Cavalcanti falam da perda de Paulo Autran  Personalidades dão adeus ao 'Senhor dos Palcos' Lula lamenta, em nota, a morte de Paulo Autran Deixe sua mensagem de despedida ao grande ator  História: ouça Autran nos anos 60 na Rádio Eldorado  Wikipedia já registra morte de Paulo Autran     Há duas semanas, o ator se aposentou, por questões de saúde. Autran sofria também com um enfisema e tinha problemas cardíacos. Ele deu entrada no hospital com diagnóstico de problemas intestinais. Nesta sexta, seu quadro piorou e o médico Drauzio Varella, que o atendia, informou que seu estado passou a ser considerado "grave". Ele chegou a ser sedado durante a madrugada.   Nascido em 7 de setembro de 1922, Paulo Autran é considerado um ícone do teatro brasileiro. Foram 57 anos dedicados à arte de interpretar, não só no teatro, mas também em filmes. No cinema, Autran marcou época com Terra em Transe, de Glauber Rocha, e mais recentemente fez A Máquina, de João Falcão. Em O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias, dirigido por Cao Hamburger, ele vai aparecer na disputa por uma vaga ao Oscar de filme estrangeiro no ano que vem.   Na TV, Autran brilhou em teleteatros e novelas. O último trabalho foi na minissérie Hilda Furacão, em 1998.   Sua estréia profissional no teatro só se deu aos 27 anos, mais precisamente no dia 13 de dezembro de 1949, no Rio, na peça Um Deus Dormiu Lá em Casa, de Guilherme Figueiredo. Nessa peça, contracenava com a atriz Tônia Carrero, grande responsável pelo início da carreira do ator, que antes exercia a profissão de advogado.   Autran se entregou interamente ao teatro e queria aperfeiçoar cada dia mais sua atuação. Na 90ª peça do ator, o Avarento, de Molière, foi possível comprovar, que apesar da idade, continuava intensamente presente no palco.   Em fevereiro deste ano, Autran ficou internado por três dias em conseqüência de um processo infeccioso. Em junho, permaneceu por nove dias na Unidade Crítica Coronariana também do Hospital Sírio-Libanês, após sentir dores no peito.   Matéria atualizada às 18h27

Mais conteúdo sobre:
Paulo Autran

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.