1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Moda dos anos 50 é tema de exposição em Paris

ALEXANDRIA SAGE - REUTERS

11 Julho 2014 | 14h 47

Quando Christian Dior apresentou sua coleção de alta costura em fevereiro de 1947, os metros de tecido que se derramavam sobre os quadris das modelos em redemoinhos de lã fina, seda e tule foram uma revolução no mundo da moda.

Suas criações emblemáticas inauguraram "a mais luxuosa e radiante" década em moda feminina, de acordo com Olivier Saillard, diretor do Museu da Moda Palais Galliera, que apresenta a exibição "Os anos 50- Moda na França, 1947-1957", que começa no sábado, em Paris.

Com base em um extenso arquivo do museu de peças de vestuário e acessórios, a exposição conta com o trabalho de outras estrelas além de Dior. Há nomes como Balenciaga, Pierre Balmain e Hubert de Givenchy. Há também os menos famosos, embora importantes, como Jacques Fath e Jacques Heim.

"Essa foi a idade de ouro da 'haute couture', quando Paris recuperou o seu título de capital da moda mundial", disse Saillard, na quarta-feira à noite - durante um jantar de gala na pre-estreia da exposição.

Vestidos para coquetéis, bailes, tardes de verão - até mesmo luvas, chapéus, sutiãs e maiôs -, todos estão reunidos sob o teto ornamentado do Palais Galliera, uma mansão do século 19 construída originalmente para abrigar a coleção de arte de uma duquesa, mas que desde 1977 tem sido o museu da moda da cidade.

O enigmático estilista espanhol Cristobal Balenciaga, que se estabeleceu em Paris, em 1937, aparece com destaque, com seus desenhos sóbrios a partir do início da década.

Famosas pelas criações dos elegantes drapeados nos anos 1930 e 40, a estilista Madame Grès também é lembrada, embora tenha sido ofuscada na era do "New Look" de Dior, com seu foco em volume. Um vestido dela de veludo e seda em tons de bege está a altura dos seus rivais. Um deles é Pierre Balmain, com uma referência ultrafeminina do século 18.

O Palais Galliera também disponibilizou de sua coleção um dos seus mais preciosos itens - um vestido de seda 1952 usado e doado por Wallis Simpson, a duquesa de Windsor.

Saillard disse esperar que jovens estilistas vejam a exposição e sejam inspirados pela década de 1950, como fizeram Jean Paul Gaultier e o ex-diretor criativo da Dior John Galliano.

"Você geralmente precisa de 20 anos para apreciar uma época anterior", disse Saillard. "Nunca são as mulheres que usaram a moda dos anos 50 que querem usá-la novamente - mas sim as suas netas."

A exposição vai até 2 de novembro.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo