Mayra Andrade mostra seu repertório em 3 shows em SP

A cantora cabo-verdiana nascida em Cuba, Mayra Andrade, começa hoje uma série inédita de três shows no Brasil - hoje no Bourbon Street, amanhã no Sesc Pompéia e sexta no Sesc Santo André. No repertório estão canções do seu primeiro CD, "Navega", lançado no ano passado pela Sony francesa e que marca seu período de seis anos fazendo shows. No álbum, estão composições suas, além de presentes de compositores como Kaka Barboza, Nhelas Spencer e Orlando Pantera. Mayra Andrade mora há alguns anos em Paris, desde que ganhou, em 2001, uma bolsa para estudar canto. Ela diz que sua música navega por muitas referências, mas enraizada na cultura de Cabo Verde. "Sou uma artista essencialmente de palco. Gravei o disco com base na música tradicional cabo-verdiana, mas com braços abertos pro mundo. Procuro, por outras vias, valorizar minhas raízes. E essas outras vias são múltiplas", conta. Ela procura valorizar instrumentos conhecidos dos brasileiros, como o cavaquinho. Passeia pelo samba e bossa nova, mas seu estilo é denominado de world music. Por suas passagens por Angola, Senegal e Alemanha - por conta do padrasto que foi embaixador - Mayra Andrade conta que "essas misturas formaram minha personalidade, minha forma de encarar minha tradição, de trazer alguma coisa diferente para a cultura cabo-verdiana". Mayra Andrade vem colhendo boas críticas e por conta do sucesso e foi incensada como a nova Cesaria Évora pela forma como transmite a cultura cabo-verdiana. "Nem eu estou procurando fazer o mesmo caminho que a Cesaria, nem ela está procurando sucessoras. Cabo Verde não precisa de uma nova Cesaria, afinal ela continua vivinha. Eu espero ser Mayra Andrade e quero me destacar pela minha identidade". Sintonia Mayra Andrade demonstra sintonia com a música brasileira. Ela conta ter crescido ouvindo Caetano Veloso. "Quando eu penso em referências, penso muito nele. Caetano, sem saber da minha existência, foi meu padrinho", declara ela, que hoje inclui Chico Buarque, Milton Nascimento e Maria Bethânia no rol de músicos que admira. A banda que a acompanha, todos são brasileiros. O contato começou em Paris, quando ia ouvir música brasileira em casas que tinham na França. "Era uma forma de me sentir mais em casa", observa. "Fui conhecendo alguns músicos e foi assim que convidei cada um para trabalhar comigo". Ela já esteve no Brasil, em 2003, mas este será o primeiro show em território brasileiro. "Minha expectativa e dos músicos é muito grande, e a gente não tem outra opção a não ser fazer três shows bombásticos porque nossa intenção é voltar mais vezes." Serviço: Mayra Andrade. Bourbon Street. Rua dos Chanés, 127, 5096-6100. Hoje, às 22h30. R$ 85. Sesc Pompéia. Rua Clélia, 93, 3871-7700. Amanhã, às 21h. De R$ 4 a R$ 16. Sesc Santo André. Rua Tamarutaca, 302, 4469-1200. Sexta, às 21h. R$ 20.

PEDRO HENRIQUE FRANÇA, Agencia Estado

10 Outubro 2007 | 14h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.