Calero pede demissão do Ministério da Cultura; Roberto Freire assume

Calero pede demissão do Ministério da Cultura; Roberto Freire assume

Calero se desgastou depois de colisões com integrantes do alto escalão; presidente nacional do PPS havia sido cogitado no início do governo Temer

Tânia Monteira, Vera Rosa e Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

18 Novembro 2016 | 19h25

BRASÍLIA - O ministro da Cultura, Marcelo Calero, pediu demissão ao presidente Michel Temer nesta sexta-feira, 18, que logo convidou o deputado Roberto Freire (PPS-SP) para comandar a pasta. Temer agiu rápido, na tentativa de não alimentar nova agenda negativa para o governo.

Segundo o blog da Coluna do Estadão, uma das razões que motivaram a saída de Calero foi o impasse em torno do projeto, aprovado no Senado na semana passada, que dá à vaquejada status de manifestações da cultura nacional e os eleva à condição de patrimônio cultural imaterial do Brasil. 

Com um relatório do Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (Iphan) em mãos, o ministro chegou a pedir ao presidente Michel Temer que vetasse a lei. Encontrou obstáculos de ministros próximos ao presidente, que defendem ainda que Temer faça um evento grandioso para sancioná-la já que o tema teve muita repercussão com a manifestação de vaqueiros em Brasília.

Freire é presidente nacional do PPS e ficou surpreso com o convite, feito à noite. "Vou analisar o que Calero fez e dar continuidade ao trabalho. O governo Temer é de ponderação, de diálogo, não acirra conflito", afirmou Freire ao Estado.

A carta de demissão de Calero foi entregue a Temer na noite de quinta-feira, no Palácio do Planalto. Na ocasião, o presidente pediu que ele reconsiderasse a decisão. No fim da tarde de ontem, porém, o então ministro ligou para Temer e disse que deixaria mesmo o governo, "por razões pessoais".

A informação oficial do Ministério da Cultura foi a de que Calero saiu por divergências com alguns integrantes do governo. Em conversas reservadas, auxiliares de Temer disseram que ele se desentendeu com o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima.

Há tempos, o titular da Cultura também  vinha reclamando de falta de verbas para executar os principais programas da pasta. Mesmo com o esforço do Planalto para aprovar no Congresso a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita o aumento dos gastos públicos, porém, o governo gastou, no último dia 7, R$ 500 mil para a cerimônia da Ordem do Mérito Cultural, que premiou 36 personalidades do samba. Na ocasião, Temer elogiou Calero por deixá-lo "distensionado" com aquela celebração.

"Saio do Ministério da Cultura com a tranquilidade de quem fez tudo o que era possível fazer, frente os desafios e limitações com os quais me defrontei. E que o fez de maneira correta e proba", escreveu Calero, na carta entregue a Temer. "Durante os últimos seis meses, empreguei o melhor dos meus esforços, apoiado por uma equipe de extrema qualidade para pensar a política cultural brasileira."

Em maio, após o impeachment da então presidente Dilma Rousseff, Temer decidira extinguir o Ministério da Cultura (Minc). Calero havia sido convidado para comandar a Secretaria da Cultura, abrigada no Ministério da Educação.

Diante de inúmeros protestos, porém, Temer recuou e reativou o Minc, chamando Calero para ser o titular. Formado em Direito, ele também foi secretário de Cultura da Prefeitura do Rio, antes de chegar à Esplanada, em Brasília. Comandou a pasta após seu trabalho como presidente do Comitê Rio 450, criado para organizar a celebração dos 450 anos da cidade, em 2015. 

CRONOLOGIA

13 de maio

Michel Temer extingue o Ministério da Cultura.

21 de maio

Depois da forte pressão contrária da classe artística, Temer recria o MinC.

23 de maio

Marcelo Calero assume o ministério.

25 de maio

Um requerimento para a abertura da CPI da Rouanet é protocolado na Secretaria Geral da Câmara dos Deputados.

26 de julho

O MinC demite 81 funcionários ligados a diversas diretorias e instituições importantes de sua estrutura.

3 de setembro

Aos gritos de “golpista”, Calero tem o discurso interrompido no Festival de Cinema de Petrópolis. 

18 de novembro

Marcelo Calero pede demissão irrevogável do ministério, motivado por divergências com alguns integrantes do governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.