1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Macklemore sabe onde pisa em novo disco

- Atualizado: 26 Março 2016 | 16h 00

Nova parceria do rapper com Ryan Lewis, ‘This Unruly Mess I’ve Made’, mostra o MC aprendendo a lidar com o sucesso global – na marra

O rap vai bem na América, obrigado – o sucesso de público e crítica dos últimos álbuns de Kendrick Lamar (especialmente To Pimp a Butterfly, de 2015), Vince Staples e Earl Sweatshirt são exemplos de como o gênero ressoa, ainda necessário e vibrante, no século 21. Mesmo antes da morte recente do rapper Phife Dawg, aos 45 anos, o A Tribe Called Quest – grupo pioneiro do rap alternativo dos anos 1980 – vinha ocupando o noticiário com reuniões e encontros na TV. Straight Outta Compton, o filme sobre a criação do N.W.A., apesar de ter sido praticamente ignorado no Oscar, foi muito bem nas bilheterias nos EUA.

Quem aproveita o bom momento, agora, é o rapper Ben Haggerty, mais conhecido como Macklemore, cujo álbum de estreia em parceria com Ryan Lewis, The Heist, levou o Grammy de melhor disco de rap em 2013, batendo justamente Kendrick Lamar e o seu good kid, m.A.A.d city, um disco tão poderoso quanto To Pimp a Butterfly. A notícia caiu com tanta força no colo de Macklemore – um rapaz branco e classe média de Seattle – que ele chegou a postar um pedido de desculpas no Instagram (que depois foi denominado como “desnecessário”), e agora, This Unruly Mess I’ve Made, transforma em canções esse sentimento de culpa.

Duo. Macklemore, à direita, e o produtor e DJ Ryan Lewis
Duo. Macklemore, à direita, e o produtor e DJ Ryan Lewis
A questão é a mesma que foi levantada quando Same Love, do primeiro álbum do duo, virou hit, advogando pela ideia de que “ser gay é ok” – claro que é, mas ele foi questionado se era mesmo preciso esclarecer um ponto tão claro. Agora, ele se volta para o seu “white privilege”.

A primeira canção, Light Tunnels, descreve com certo pesar o próprio indo a uma cerimônia de premiação, levando o troféu e dizendo: “eu não gosto de quem eu sou neste ambiente, e esqueci para que a arte serve”. Em Brad Pitt’s Cousin, ele abraça um lado humorístico (“meu gato nem mesmo faz rap, mas tem mais seguidores do que você”) mais ou menos inocente.

Mas é o fecho do disco, White Privilege II, que tem a mensagem mais direta. “Você explorou e roubou a música / a cultura que nunca precisou de você”, ele canta e discute, com uma sinceridade que pode também parecer inocente, o lugar do branco – um rapper branco – no debate e na luta contra o racismo. A comovente sinceridade faz o claro intuito pop do disco valer a pena.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX