Livro e filme lembram o centenário de Tarzan, o rei da selva

Edição comentada e ilustrada do clássico de Edgar Rice Burroughs chega às livrarias

Antonio Gonçalves Filho , O Estado de S. Paulo

06 Abril 2014 | 19h55

A popularidade de Tarzan, o homem-macaco, continua a mesma um século após a publicação do primeiro livro sobre o personagem, criado pelo norte-americano Edgar Rice Burroughs (1875-1950). Tanto que, para comemorar a data, a editora Zahar está lançando uma edição comentada e ilustrada do mesmo livro, que traz os desenhos originais do canadense Harold Foster (1892- 1982), ou Hal Foster, criador dos clássicos quadrinhos de O Príncipe Valente.

O cinema, também apostando na atualidade de Tarzan, um homem que prefere a companhia dos macacos à selva das cidades, prepara uma nova versão – desta vez com Alexander Skarsgard no papel-título. Dirigida por David Yates, ela certamente vai explorar mais o corpo que a alma do galã sueco, como se faz na tela desde a versão de Tarzan com Johnny Weissmuller, visto na foto maior desta página.

Traduzido por grandes autores no Brasil, entre eles Manuel Bandeira e Monteiro Lobato, os livros de Tarzan começam a ser redescobertos pelas novas gerações. Thiago Lins, também autor da ótima apresentação e das notas que acompanham a edição, é o novo tradutor do livro inaugural de uma série de 24 volumes produzidos por Burroughs. O primeiro nasceu dois anos depois que Tarzan fez sua primeira aparição, em 1912, na revista All-Story, que reunia autores de um gênero popularmente conhecido como pulp fiction – ficção barata, produzida para consumo de massa.

Embora visto com desconfiança por sociólogos, antropólogos e etnólogos, que identificam no homem-macaco de Burroughs traços de racismo, Tarzan conquistou leitores como Gore Vidal, sensível ao vigor físico do personagem, mas não Rudyard Kipling, o criador de Mowgli, incomodado com a cópia de seu garoto selvagem.

Criado nas florestas da Índia Central, Mowgly apareceu na cena literária em 1893. Perdido pelos pais após o ataque de um tigre, ele é criado por lobos, como os irmãos gêmeos Rômulo e Remo da mitologia romana. Tarzan, após a morte dos pais, é adotado por uma antropoide, Kala. A história se repete com poucas variações. Burroughs, porém, pisa mais forte no determinismo darwinista.

Tarzan cresce sem saber nada de sua condição humana, achando que é também um macaco. As ilustrações de Hal Foster reforçam a sua construção como um símio esperto e autodidata, sem respeito por outros animais – ele mata por prazer. Além disso, Tarzan é incapaz de identificar alguns seres humanos como semelhantes – e a facada que ele desfere no coração do nativo africano Kulonga, vingando a morte da mãe adotiva, a macaca Kala, é uma prova disso. É justamente nessa sequência que os estudiosos enxergam o “racismo” de Tarzan, incapaz de ver Kulonga como homem, por ser negro, o que não acontece quando ele se encontra com Jane, sua futura mulher, e o pai dela, ambos caucasianos como ele – além de tudo descendente de lorde inglês colonialista.

No caso de Kulonga, Tarzan por pouco não pratica um ato de canibalismo – ele, faminto, ensaia comer o nativo morto, mas seu instinto hereditário, ancestral, o faz desistir da ideia. Burroughs, no capítulo seguinte, explica que Tarzan “não sabia nada da irmandade dos homens”. Todas as coisas além de sua tribo eram “inimigos mortais”. Caçar e matar eram seus prazeres maiores. Assim, “sendo homem, matava por diversão, algo que nenhum outro animal faz”. Burroughs evoca o confronto entre tradição oral e escrita, ao fazer de Tarzan um autodidata que aprende a ler e escrever sozinho, ao encontrar os livros deixados pelos pais mortos.

Em inglês, o som das palavras white (branco), write (escrever) e right (direito) é quase o mesmo. Mais de um analista já identificou uma incômoda conexão entre o mundo descrito nos livros de lorde Greystoke, pai de Tarzan, e a civilização branca. Burroughs insiste na importância da hereditariedade. Aceita o darwinismo. Para Tarzan, “white” é “right” e “black” não é “beautiful”, como diz o refrão. É um incivilizado. Só aceita ser domesticado porque sente que Jane não o aceita como besta selvagem.

Alan Moore, criador de Watchmen, aprendeu a lição. Inverteu a lógica de Burroughs ao criar o personagem Tom Strong, que cresce numa câmara hiperbárica e é educado por cientistas, após um naufrágio que atinge seus pais. Strong se fortalece graças a uma raiz medicinal dos nativos. Como se vê, Tarzan não morreu. Apenas mudou de nome.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.