1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Ideias

Fábio Porchat

Muita gente me pergunta da onde vem a inspiração para determinado esquete ou filme, de onde veio a ideia. A minha resposta, infelizmente, é sempre sem graça: não sei, ela simplesmente vem. Ideia é uma coisa muito difícil de se explicar, porque ela pode não ter lógica nenhuma. Eu posso estar olhando para o céu e, do nada, ter uma ideia de um vídeo para o Porta dos Fundos sobre beterraba. Por quê? Não sei.

Que conjunções de fatores se organizaram para que minha mente chegasse à conclusão de que beterraba seria uma boa ideia é algo muito curioso e bem oculto. Mas, fato é que a beterraba surgiu na minha cabeça e meu cérebro fez conexões suficientes para ela despontar entre uma infinidade de outras coisas. Por que não uma acelga, uma rúcula ou um simples tomate? Não sei. 90% das ideias que eu tenho não dariam um bom filme sobre suas origens.

São raras as ideias que vêm ao olhar uma maçã cair ou uma banheira transbordar. O que aprendi nesses 32 anos tendo ideias é que não dá para controlar seu surgimento, mas o que você pode fazer é preparar o seu cérebro para que ele as tenha de baciada. Injetar gasolina para que ele possa produzir de tudo. Desde os pensamentos mais idiotas até os mais geniais (às vezes, na maioria das vezes, geniais só para você).

Gosto de ler, assistir, me informar, consumir arte de todo o tipo para instigar a minha cabeça. Rechear com informações a sua cabeça é uma das melhores coisas que você pode fazer. Muitas vezes, automaticamente, seu cérebro começa a fazer uma série de conexões, links e, de repente, EUREKA!

Quanto mais descansado você estiver, tranquilo, com a cabeça podendo estar livre para não focar apenas nos problemas, de maior ou menor intensidade, mais ela consegue viajar por todos os cantos da sua imaginação.

As ideias surgem em qualquer momento, até quando você está estafado. Mas quando você “prepara o terreno”, ela vem mais redonda, parece que chega macia. Eu amo viajar e, mesmo de férias, com a cabeça totalmente em outro planeta, tenho ideias. Mas elas chegam tão suaves, quase pedindo licença. Então, quando alguém me pergunta de onde vêm as ideias, minha vontade é sempre responder: de tudo o que eu vivi e vivo. E claro, anote tudo, tudo o que você pensar. Esquecer uma ideia é a pior coisa do mundo, porque você sempre vai imaginar que aquela era a melhor de todas do mundo. E quem sabe não era?

FÁBIO

PORCHAT

Mais em CulturaX