Grupo pede a Schwarzenegger ´prisão eterna´ de Paris Hilton

Herdeira da rede de hotéis Hilton é ´cidadã modelo´, dizem funcionários da prisão onde ela está desde domingo por ter violado condicional e dirigido sem licença

Agencia Estado

12 Junho 2007 | 04h00

Um grupo de pessoas do Estado de Idaho organizou um abaixo-assinado pedindo ao governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, "prisão eterna" para a socialite Paris Hilton, que no domingo, 3, se apresentou a uma delegacia de Los Angeles para cumprir 23 dias de pena, após ter violado uma condicional e dirigido sem licença. O pedido irônico está no site Cagehilton.com. O grupo pede a permanência eterna de Paris na prisão porque ela "é uma celebridade somente por ser herdeira de rede de hotéis Hilton" e é algo que ela "deve ao Estado e à sociedade". A herdeira da rede de hotéis Hilton parece estar se ajustando aos poucos à vida de presidiária. Segundo revelações de fontes ao site de fofocas TMZ.com, a socialite está sendo chamada, por funcionários da prisão, de "cidadã modelo": gentil, educada e agradecida. De acordo com o site, ela não está deprimida, apenas um pouco cabisbaixa e quieta. A estrela do reality show Simple Life (Vida Simples, em tradução livre para o português) está na unidade de "necessidades especiais" da prisão, separada da maioria das 2.200 presas. A unidade contém 12 celas para duas pessoas, com 2,4 por 3,7 metros, e 2,4 metros de pé direito. Paris está sozinha em uma cela que tem dois leitos, uma mesa, uma pia, um sanitário e uma pequena janela. Chegada A socialite se apresentou à polícia na última segunda-feira, 4, acompanhada pela mãe, após fazer uma aparição surpresa no tapete vermelho do prêmio de cinema da MTV, no domingo, usando um elegante vestido preto. "Estou tentando ser forte neste momento", disse ela à imprensa, na entrada do prêmio da MTV. "Estou pronta para enfrentar minha sentença e tenho minha família, amigos e seguidores que me apóiam neste momento realmente duro, e isso me ajuda". Paris se apresentou na prisão masculina e de lá foi escoltada para o centro de mulheres em Lynwood, onde foi fichada, teve suas impressões digitais registradas e foi fotografada. Passou também por um exame médico e recebeu uma camiseta a calças de cor alaranjada, conforme contou Steve Whitmore, porta-voz da polícia. Rotina Paris está em uma prisão reservada para policiais, funcionários públicos, celebridades e outros presos famosos. Como as outras internas desta unidade, Paris receberá suas refeições na cela e poderá sair pelo menos uma hora por dia para esticar as pernas, ver televisão, participar de atividades ao ar livre ou falar ao telefone. Ela não poderá usar o telefone celular. O café da manhã é servido entre 6 horas e 7h30 e as luzes são desligadas às 22 horas. A prisão, com dois andares e 13 anos de existência, abriga somente mulheres desde março de 2006. A instalação de concreto se encontra em uma região industrial e ao lado de vias de trânsito muito pesado. "Tive a opção de ir para uma prisão privada", disse Paris no domingo, sem entrar em detalhes. "Mas recusei, porque sinto que a mídia me mostra de uma maneira que não sou e por isso quis demonstrar que posso passar por isso e que serei tratada como todas as outras presas. Cumprirei o tempo de minha condenação e o farei de modo correto". Licença suspensa As autoridades determinaram a prisão de Paris em 7 de setembro do ano passado, em Hollywood. No início de janeiro, ela foi sentenciada a 36 meses de liberdade condicional e a um programa educativo sobre os perigos do álcool e teve de pagar US$ 1,5 mil em multas. No dia 15 de janeiro, no entanto, a herdeira da rede de hotéis Hilton foi detida na Califórnia por dirigir com a licença suspensa. Paris teve de assinar um documento em que reconhecia que não poderia, por lei, estar dirigindo, e foi então determinada sua prisão em 27 de fevereiro. Paris, que já esteve nas passarelas e atuou em séries de TV e em filmes, esteve no Brasil em setembro de 2005 quando lançou seu perfume, Paris Hilton Fragrance. Em 2006, resolveu investir na carreira de cantora e lançou, em agosto, seu primeiro CD, que leva seu nome. A socialite ganhou fama internacional quando seu então namorado Rick Solomon postou na internet um vídeo que mostrava os dois fazendo sexo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.