França quer medidas duras para vândalos de obras de arte

Ministra da Cultura anuncia a decisão após cinco pessoas invadirem um museu em Paris no fim de semana

Crispian Balmer, da Reuters

08 Outubro 2007 | 11h43

A França deve impor medidas mais duras para os atos de vandalismo cometidos contra obras de arte, afirmou nesta segunda-feira, 8, a ministra da Cultura, Christine Albanel, após cinco pessoas que invadiram um museu de Paris no fim de semana terem feito um buraco em uma famosa pintura impressionista.   O grupo entrou no Museu d'Orsay na manhã de domingo, 7, e atacaram a obra Le Pont d'Argenteuil, do mestre impressionista Claude Monet, fazendo um buraco de 10 centímetros na tela. "Foi um ato de puro vandalismo", disse Albanel à rádio France Inter, acrescentando que a França deve melhorar a segurança do museu e punir severamente os invasores.   "Seria uma boa coisa aumentar as penas contra pessoas que vandalizam uma igreja, um museu, um monumento, porque elas estão atacando nossa história", disse ela. Albanel acrescentou que Le Pont d'Argenteuil, pintada em 1874, será restaurada com sucesso.   Uma câmera de segurança mostrou os intrusos arrombando uma porta da parte de trás do museu. Um alarme foi acionado e os guardas chegaram logo, mas a gangue conseguiu fugir após danificar a obra.   O ataque aconteceu durante a denominada Nuit Blanche - um festival de artes ao longo da noite que foi particularmente turbulento neste ano, já que coincidiu com a inesperada vitória da França contra o All Blacks na Copa do Mundo de rugby.   Autoridades acreditam que os vândalos estavam bêbados. O ataque aconteceu após uma série de incidentes que abalaram o mundo das artes na França.   Ladrões armados invadiram um museu aberto no cidade de Nice em agosto e roubaram quatro pinturas dos impressionistas Monet e Sisley e do pintor flamengo Jan Brueghel, o Velho.   No ano passado, um homem com um machado atacou um símbolo do movimento dadaísta - um uriniol de cerâmica exibido primeiramente pelo surrealista Marcel Duchamp em 1917.   Um mulher deve ir a julgamento nesta semana por beijar uma pintura do artista norte-americano Cy Twombly em exibição em Avignon e deixar marcas de batom na tela. O advogado disse que o beijo foi um ato de amor, não vandalismo.

Mais conteúdo sobre:
França obras de arte vândalos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.