Festival de Cinema Brasileiro é destaque em Pequim

Seleção de filmes vai de dramas a comédias e musicais e reflete diversidade do País

Agencia Estado

07 Junho 2018 | 08h48

Pequim recebe esta semana o Festival de Cinema Brasileiro, que procura mostrar um pouco dos vários aspectos da cultura do País através de sua produção cinematográfica recente e de alguns clássicos e adaptações literárias. Com uma seleção que vai de dramas a comédias e musicais, o festival reflete a diversidade que é característica singular de cada um dos elementos que constituem a identidade brasileira, segundo comunicado da Embaixada do Brasil em Pequim. Documentários sobre grandes nomes da música e da cultura brasileira, como Vinicius, sobre o compositor e poeta Vinicius de Moraes, e Pelé Eterno, sobre o rei do futebol, são alguns dos destaques da mostra. Os sonhos desfeitos dos moradores do campo brasileiros são abordados em dois outros filmes da mostra: Cinema, Aspirinas e Urubus, de Marcelo Gomes, um dos expoentes da nova geração de diretores, e O Caminho das Nuvens, de Vicente Amorim. Além de Vinicius, outro filme brasileiro retratando a bossa nova exibido na mostra é Coisa Mais Linda, de Paulo Thiago, que conta a história do movimento musical surgido no Rio de Janeiro no fim dos anos 50. Os filmes são exibidos em versão original, com legendas em inglês e chinês, nos cinemas de um centro comercial de Pequim, freqüentado principalmente pelos chineses mais ricos e por estrangeiros. As grandes diferenças culturais e idiomáticas entre Brasil e China não foram barreiras para a grande maioria dos espectadores. Na exibição da comédia Fica comigo esta noite, de João Falcão, os presentes se divertiram e gargalharam em várias cenas. Dois grandes clássicos do cinema brasileiro, adaptações de obras-primas da literatura do século 20, também fazem parte da mostra. Um foi Macunaíma (1969), de Joaquim Pedro de Andrade, baseado na obra homônima do escritor modernista Mario de Andrade, na qual o autor faz uma reflexão sobre a identidade brasileira. O outro é Vidas Secas (1963), adaptação do livro de Graciliano Ramos feita por Nelson Pereira dos Santos, na qual uma família pobre do nordeste abandona seu povoado e atravessa o sertão fugindo da seca e buscando um lugar melhor para viver. No programa da mostra, que começou na terça-feira, dia 12, e terminará no sábado, também estão filmes como A Máquina, de João Falcão, e Deus É Brasileiro, de Cacá Diegues, no qual o ator Antônio Fagundes interpreta um Deus que quer tirar férias e desce ao Brasil para procurar um substituto.

Mais conteúdo sobre:
pequim, cinema, vinicius, clássicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.