Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Festival de Avignon fica livre da ameaça de greve na abertura

Cultura

Cultura

ARTE

Festival de Avignon fica livre da ameaça de greve na abertura

Trabalhadores do Festival de Avignon aprovaram a abertura do renomado evento de artes e teatro na sexta-feira, disse um representante do sindicato, enquanto greves ameaçam festivais de verão em outros lugares na França.

0

REUTERS

01 Julho 2014 | 13h03

Oitenta por cento dos funcionários foram a favor de retirar a ameaça de greve para a noite de abertura, em uma votação nesta terça-feira, mas deixaram a porta aberta para uma ação futura durante as performances, disse Catherine Lecoq, a funcionária do sindicato na região.

Festivais de verão da França atraem centenas de milhares de visitantes, como o de Avignon e o de Ópera de Aix-en-Provence - ambos cancelados em 2003, durante uma greve.

Artistas, técnicos e outros trabalhadores informais no mundo das artes francesas estão há meses ameaçando impedir a realização dos festivais de verão mais importantes do país, em protesto contra cortes nos seus programas de seguro-desemprego.

O Festival de Avignon abre na sexta-feira com "O Príncipe de Homburg", do autor alemão Heinrich von Kleist, apresentado no pátio do imponente Palácio Papal da cidade.

A ministra da Cultura, Aurélie Filipetti, exortou os trabalhadores em greve na segunda-feira a garantir que os festivais sejam realizados, ressaltando que as negociações estavam em andamento sobre um novo regime de seguro-desemprego.

Cerca de 100 mil trabalhadores de festivais da França têm direitos especiais na obtenção de benefícios por desemprego, o que drena recursos do fundo de desemprego Unedic.

Embora eles representem apenas 3,5 por cento dos candidatos a emprego, o seguro-desemprego é duas vezes maior para eles do que para a média dos trabalhadores e é responsável por um quarto do déficit orçamentário de 4 bilhões de euros.

Mas os trabalhadores de festivais - conhecidos como "intermitentes" - há muito tempo recusam alterações nos acordos, argumentando que são vitais para a cultura francesa, e afirmam que reformas definidas em março vão tornar impossível a sobrevivência de muitos deles.

De acordo com as reformas elaboradas em março, funcionários de festivais terão que fazer maiores contribuições à Previdência e precisarão esperar mais tempo após o final de cada trabalho temporário antes de poder receber benefícios.

Greves esporádicas já ocorreram em Paris e Montpellier, causando cancelamentos de eventos de teatro e música. O primeiro-ministro Manuel Valls nomeou um mediador para tentar resolver a crise com a apresentação de propostas nas próximas semanas.

(Reportagem de Francois Revilla)

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.