Fascínio pelos gêneros

Diretor e elenco de Os Infratores falam sobre gângsteres, família e violência, presentes no filme

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2012 | 03h09

Na coletiva de Os Infratores, em Cannes - o filme estreia hoje -, o diretor John Hillcoat disse o que havia de atraente no livro autobiográfico de Matt Bondurant. "Quem viu A Estrada, com Viggo Mortensen, sabe do meu interesse pelos temas da família e da violência. Gosto de contar histórias de personagens levados ao limite. São pessoas que poderiam levar vidas pacíficas, não fossem as circunstâncias. Essa transformação é o que me interessa e também havia a questão do gênero. Nasci na Austrália, mas criei-me no Canadá. Quando garoto, viajava muito para o Sul dos EUA. Era nos anos 1960, havia muita agitação por conta da luta pelos direitos civis. E havia os filmes de Arthur Penn, Bonnie & Clyde - Uma Rajada de Balas, e Meu Ódio Será Sua Herança, de Sam Peckinpah. Foram as obras que fizeram minha cabeça e despertaram em mim o desejo de virar cineasta."

Hillcoat voltou à Austrália para cursar cinema, mas desde então voltou muitas vezes à 'América'. O cinema de gêneros sempre o fascinou e, quando Os Infratores surgiu em sua vida, seria um filme de gângsteres caro, produzido pela Sony. A crise financeira de 2008 levou ao arquivamento do projeto, mas Hillcoat já estava tão impregnado dele que não desistiu. Prazos e orçamentos foram reavaliados e Os Infratores foi feito de forma independente. "As cenas de fuzilaria, inclusive a final, foram planejadas, mas tivemos somente quatro dias para filmar. Se a coisa funciona, foi pelo empenho da equipe."

Shia LaBeouf, Tom Hardy e Jason Clarke formam o trio de irmãos durante a Lei Seca. Produzem uísque clandestino numa comunidade interiorana. Enfrentam um chefão do crime, que envia um sicário da cidade grande contra eles. Em Cannes, nem o diretor nem o elenco principal conversaram com o Estado, mas ainda na Croisette o repórter teve individuais com Jessica Chastain e Mia Wasikowska, por outros filmes. Depois, em Londres, encontrou-se com Guy Pearce, por Prometheus, de Ridley Scott, e em todos os casos foi possível falar sobre Os Infratores. Todos ressaltaram que o roteiro era muito bem escrito - pelo ator, cantor e compositor Tom Waits. Na coletiva, Waits foi honesto. "Gostaria de dizer que o mérito é meu, mas a história já é muito bem estruturada e os meus diálogos são os do livro de Matt (Bondurant)."

Jessica Chastain adorou fazer cinema de gênero. "Minha personagem parece frágil, mas é durona e, certamente, age por amor. E todos nós tínhamos Bonnie & Clyde, que é um grande filme, como meta. Faye Dunaway é uma inspiração para todas as atrizes do mundo." Mia faz a filha do pastor, que desafia a família por amor. "A história não é só de violência; é de afeto." Guy Pearce submeteu-se a pesadas sessões de maquiagem para fazer o velho de Prometheus. "Em Os Infratores, bastou a tintura do cabelo. A maldade do personagem vem de dentro. Fazer o vilão é divertido. Essa história de que mexe com seu interior é bullshit. Fiz um vilão de cinema - muito mau. Senti que o público torce contra mim, contra o meu sorriso. É sinal de que atingi o objetivo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.