Fantasmas literários

A modernização de velhas intrigas, em geral extraídas de um clássico da literatura, como a Globo fez com as de Ligações Perigosas, urdidas e situadas por Choderlos de Laclos na França do século 18, traz sempre à baila o truísmo segundo o qual “todas as histórias já foram contadas”. Como em qualquer forma narrativa, o importante não é o quê mas o como, nem toda história recontada ou reapropriada é irremediavelmente desprovida de originalidade. O romance mais original do século passado, Ulisses, de James Joyce, não reciclou a Odisseia de Homero? Autores de todos os calibres não buscaram inspiração em Shakespeare, ele próprio uma esponja de enredos alheios?

Sérgio Augusto, O Estado de S.Paulo

09 Janeiro 2016 | 02h00

Buscaram e ainda buscam. A editora Random House desenvolve um projeto, Hogarth Shakespeare, só de modernizações de peças do bardo de Avon, entregues à imaginação de autores contemporâneos como Anne Tyler, Margaret Atwood, Jo Nesbo e Tracy Chevalier. Em junho, sairá o primeiro volume da série, Vinegar Girl, de Tyler, inspirada em A Megera Domada. Atwood escolheu A Tempestade. Nesbo, Macbeth.

Em matéria de releitura e modernização, prefiro aquelas experiências fulcradas em novos e surpreendentes protagonistas às simples transposições ao tempo presente. A tragédia de Hamlet recriada no palco e na tela a partir de dois personagens secundários, Rosencrantz e Guildenstern, como fez Tom Stoppard, abriu uma vereda posteriormente ampliada por John Updike, num romance em que Gertrude e Claudius, a mãe e o tio de Hamlet, assumem o centro da narrativa, e que se estendeu a textos canônicos de outros autores como Cervantes, Dickens, Defoe, Stevenson, Melville, Charlotte Brontë e Jane Austen.

 

Kathy Acker atualizou e feminilizou D. Quixote. Peter Carey recriou Grandes Esperanças em torno de Jack Maggs e através dos olhos de Abel Magwitch. A americana Valerie Martin reviu o drama de O Médico e o Monstro do ponto de vista da criada de Dr. Jekyll, Mary Reilly. 

Em Foe, J.M. Coetzee acrescentou à aventura de Robinson Crusoe e Sexta-Feira uma intrusa náufraga, que além de assumir a narrativa acaba tendo um caso com Daniel Defoe, autor do romance original. Em vez de Ishmael, o enunciador da épica caça à baleia Moby Dick, quem narra Ahab’s Wife, de Sena Jeter Naslund, é a mulher do capitão Ahab. Antes de casar com Jane Eyre, heroína do homônimo romance de Brontë, o byroniano Mr. Rochester viveu com uma louca chamada Bertha Mason, a quem Jean Rhys dedicou todos os capítulos de Vasto Mar de Sargaços. 

Mais uma variação de Orgulho e Preconceito, desta vez transposta para a América de hoje, com o título de Eligible e assinada por Curtis Sittenfeld, chegará às livrarias daqui a três meses. Faz tempo que Jane Austen virou uma commodity literária.

Não temos uma tradição de releituras nessa linha. Fernando Sabino e Domício Proença Filho já se incumbiram de dar voz a Capitu, Gustavo Bernardo corrigiu os rumos da Lucíola de José de Alencar, mas muitas outras experiências do gênero mereciam ser aqui tentadas. Quem se habilita a exumar um imaginário diário deixado pela Madalena de São Bernardo, a viçosense Bovary de Graciliano Ramos?

Sairá em breve entre nós a tradução de um dos melhores exemplares desse gênero de ficção derivativa: Meursault, Contre-enquête, do argelino Kamel Daoud. Escrito em francês, já traduzido para o português de Portugal por ninguém menos que a escritora Inês Pedrosa, é uma espécie de suíte e, ao mesmo tempo, contraponto de O Estrangeiro, de Albert Camus. Desde a frase de abertura. 

“Minha mãe morreu hoje”, revela o pied noir (argelino de origem francesa) Arthur Meursault, na abertura de O Estrangeiro. “Mamãe ainda está viva”, replica o argelino Haroun, na abertura de sua investigação sobre o assassinato do irmão mais velho, no início dos anos 1940, quando ainda faltavam duas décadas para a Argélia libertar-se do domínio francês. Sob o sol escaldante de uma praia nos arredores de Argel, Meursault matou um árabe cujo nome Camus jamais revela aos leitores. Ele é apenas o “árabe”, um colonizado anônimo e indistinto. Daoud, jornalista famoso do Le Quotidien d’Oran e romancista de primeira viagem, o reinventou, deu-lhe uma identidade (Moussa), um irmão caçula (Haroun) e uma mãe igualmente desesperada para esclarecer as circunstâncias da morte de Moussa e descobrir onde o enterraram. 

Os dois romances se espelham (até nas iniciais de Meursault e Moussa), se complementam e se contradizem. Na releitura de Daoud, L’Étranger ganha outro título (L’Autre) e, em meio à investigação, irrompe outro assassinato, agora de um francês, Joseph, pelas mãos vingativas de um árabe não só nomeado, Haroun, como narrador da história, por sinal desfiada num tête-à-tête em Orã, a cidade de A Peste, em condições parecidas com as do papo confessional do protagonista de A Queda naquele bar de Amsterdã.

Não é um romance sobre ou contra Camus, a quem Daoud admira como filósofo, a ponto de remoer algumas das ideias sobre o absurdo contidas em O Mito e o Sísifo, mas, acima de tudo, um ajuste de contas com a soberba do Camus romancista e uma crítica feroz à Argélia pós-libertação, livre dos franceses, mas entregue aos humores de nacionalistas tacanhos, corruptos e contaminados pelo fanatismo religioso. Um imã local chegou a propor uma fatwa contra Daoud, por causa do romance, que, por descabida, não obteve respaldo das autoridades competentes.

Os argelinos têm fixação em Camus (pied noir quatrocentão) e nunca o perdoaram por sonegar uma identidade ao árabe morto por Meursault e por sua ambiguidade em relação à independência do país. Esse ressentimento é palpável até na versão em quadrinhos de O Estrangeiro, desenhada pelo argelino Jacques Ferrandez. No romance Camus Dans le Narguilé, um argelino acredita ser filho bastardo de Camus, equívoco de que o autor, Hamid Grine, se aproveita para aconselhar seus patrícios a desencanar do escritor francês. Em Aujourd’hui, Meursault Est Mort, Salah Guemriche faz o filho do árabe morto por Meursault dialogar com um francês, no dia da execução do assassino, num curioso exercício de metaficção e metaensaio que pode dar novos frutos se os argelinos não seguirem o conselho de Grine. Nenhum até agora teve um décimo da merecida repercussão internacional do livro de Daoud. Meursault morreu, mas seu fantasma ainda vaga por Argel. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.