Experiência anarquista na ditadura é tema de ´Meteoro´

Drama brasileiro estréia nas salas de cinema do País nesta sexta-feira, 22

Agencia Estado

07 Junho 2025 | 16h20

O drama brasileiro Meteoro, que estréia em São Paulo nesta sexta-feira, 22, parte de um fato real para criar uma fantasia meio anarquista, meio comunista, em pleno regime militar. Escrito e dirigido pelo porto-riquenho Diego de la Texera, o longa se passa no começo da década de 1960, quando um grupo é encarregado de construir uma rodovia entre Brasília e Fortaleza. Mas o projeto é interrompido quando esses homens encontram um terreno estranho que os impede de continuar o trabalho. Eles ficam presos em seu acampamento, entre o deserto e a caatinga, esperando que o governo tome uma decisão sobre o que devem fazer. Para passar o tempo, eles contam com visitas periódicas de um grupo de prostitutas comandadas por Madame, interpretada pela atriz cubana Daisy Granados, de Memórias do Subdesenvolvimento. Enredo Alguns dos rapazes começam a sentir algo que vai além do interesse profissional pelas raparigas e surgem até algumas paixões. Como é o caso do topógrafo Aloísio (Lucci Ferreira), que se encanta por Nova (Maria Dulce Saldanha). E Gordo (Leandro Hassum), que se apaixona por outra moça (Paula Burlamaqui), mas não tem a sorte de ser correspondido, pois ela está interessada num alemão (Felipe Kannenberg), operador de rádio. Depois de fortes chuvas que destroem a estrada, as prostitutas não têm como ir embora. O governo também parece ter se esquecido dos trabalhadores e já não manda mais suprimentos por avião. A comunidade está entregue à própria sorte até que um meteoro cai nas redondezas e da cratera formada começa a jorrar água. O grupo funda uma sociedade alternativa, que ganha o nome de Meteoro, e vive longe da civilização, sem contato com o mundo, pois nem o rádio funciona mais. Quem assume a liderança é o Velho Meireles (Cláudio Marzo), mas não se chega a estabelecer uma forma de governo. Alguns se casam, como Aloísio e Nova, e formam uma família. Essa sociedade isolada se desenvolve numa combinação de anarquia - com apenas algumas regras estabelecidas - e comunismo - no sentido de pensar no bem comum do grupo. Utopia Essa é a parte mais bem desenvolvida de Meteoro. Embora um pouco ingênuo, esse segmento mostra a interação dessas pessoas, que vivem uma utopia num Brasil em plena ditadura, sem ter noção dessa realidade. Porém, não tarda muito para os militares tomarem conhecimento da vila e mandarem representantes para investigá-la. A chegada dos militares representa um novo momento para Meteoro. Os moradores nem sabiam do golpe e se surpreendem ao descobrir quem está no poder. Pena que os personagens militares não tenham maior densidade. Enquanto Meteoro lida com a fantasia, consegue manter um interesse e desenvolver bem algumas situações - em especial a interação entre os habitantes da vila. Porém, no momento em que a realidade externa entra em cena, não se desenvolve tão bem todo o potencial da história.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.