1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Estreia hoje filme que deu Oscar a Sandra Bullock

AE - Agencia Estado

19 Março 2010 | 09h 04

Na última década, Hollywood se acostumou a ver e premiar o desempenho de atrizes à frente de roteiros inspirados em histórias e personagens reais levadas ao cinema. De Nicole Kidman e o nariz postiço que usou como a escritora Virginia Woolf a uma Julia Roberts de decotes generosos como a barraqueira Erin Brockovich, mulheres poderosas consagraram com a estatueta dourada oito atrizes no papel principal nos últimos dez anos. A mais nova integrante desse grupo de premiadas é Sandra Bullock, que clareou os cabelos e caprichou no sotaque caipira para erguer seu primeiro Oscar. Sua atuação é o ponto alto de "Um Sonho Possível", que estreia hoje no País.

Uma das queridinhas da América, a atriz solidificou sua carreira com títulos de ação como "Velocidade Máxima" 1 e 2 (1994 e 1997) e comédias românticas açucaradas como "Miss Simpatia" 1 e 2 (2000 e 2005), e tornou-se ícone do gênero "feel good" - filmes que fazem mulheres e crianças suspirarem de felicidade, que irremediavelmente envolvem vitórias e um belo maridão no final feliz. Desta vez, Sandra é o destaque de um filme que também abusa do melodrama, mas tem na mão um trunfo que intimidou até os críticos: trata-se de uma história real.

Leigh Anne Tuohy, personagem de Sandra, é uma decoradora bem-sucedida e mandona do sul dos Estados Unidos que adota um garoto de rua negro semianalfabeto. Líder de torcida na adolescência, casada com o namoradinho dos tempos de colegial, um ex-jogador de futebol americano (interpretado por Tim McGraw), católica e republicana, desafia os olhares de horror da alta sociedade ao levar o garoto para morar em seu palacete com seus dois filhos.

Além de benfeitora, a matriarca é uma fada madrinha para Big Mike, o adolescente que ela adota. Michael Oher, o verdadeiro Big Mike, é hoje um jogador de futebol americano e um dos destaques da NFL (Liga Profissional Americana). Na pele do garoto grandalhão de olhos tristes e nenhum futuro, o ator novato Quinton Aaron facilita o trabalho de Leigh Anne (e de Sandra Bullock), como o menino bem intencionado que só precisa de uma chance na vida. O coração de mãe rendeu a Bullock o Oscar, e, mais uma vez, a conquista do público. As informações são do Jornal da Tarde.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo