Em uma das últimas entrevistas, Autran lamenta fim da carreira

Obcecado pelo palco, ator morto aos 85 fez últimas declarações à coluna 'Entre a Gente', do Jornal da Tarde

12 Outubro 2007 | 18h03

Conhecido por uma obsessão pelo trabalho que o fez subir ao palco até nos últimos meses de vida, o ator Paulo Autran lamentou em uma das últimas entrevistas da sua carreira, ao Jornal da Tarde, o fato de ter de se aposentar. Ele anunciou o termino da carreira há cerca de duas semanas, alegando a deterioração do estado de saúde.   Veja também: Morre, aos 85 anos, o ator Paulo Autran Paulo Autran: uma vida dedicada ao teatro Ouça a homenagem da Rádio Eldorado ao ator Paulo Autran Imagens do livro 'Paulo Autran - Sem Comentários' Web guarda grandes momentos do 'Senhor dos Palcos'   "Infelizmente, não poderei mais fazer o que mais gosto na vida, que é atuar", disse o senhor dos palcos à Marina Forte, da coluna Entre a Gente, durante a cerimônia de entrega do Prêmio Bravo! de Cultura, no último dia 1º. Autran, que morreu nesta sexta-feira, 12, aos 85 anos, foi considerado o Artista do Ano em uma votação popular com os leitores da revista Bravo!.   Na entrega do prêmio, o ator circulava pela Sala São Paulo em uma cadeira de rodas, acompanhado pela mulher, Karin Rodrigues. Pouco antes da confirmação do resultado, Autran revelou à coluna que torcia por sua vitória. "Seria hipócrita se dissesse que não me importo com o resultado. Mas estou concorrendo com ninguém menos que Ariano Suassuna, Manoel Carlos, Caetano Veloso... Vamos aguardar."   Quando o seu nome foi anunciado como o do vencedor, ele não conteve a emoção. "Em toda a minha vida, sempre fui um homem bastante controlado. Só chorava quando um personagem exigia. Hoje está difícil conseguir me controlar...", disse o ator, com a voz embargada.   Na ocasião, ainda segundo a coluna, Autran mostrou-se muito abalado por não poder mais subir ao palco por conta do seu estado de saúde. Ainda assim, não deixou de demonstrar grandeza em reconhecer os talentos da nova geração de atores brasileiros.   "Me sinto recompensado em ver talentos como Wagner Moura e Lázaro Ramos, que têm um caminho longo pela frente. São artistas como eles que darão vida a grandes papéis, seja no teatro, na tevê ou no cinema."

Mais conteúdo sobre:
Paulo Autran

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.