1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Domenico Dolce e Stefano Gabbana falam sobre o mercado de altíssimo luxo

- Atualizado: 22 Fevereiro 2016 | 20h 25

Em Milão, dupla conversou com o 'Estado' sobre a recente renovação da marca

Maria Rita Alonso

Maria Rita Alonso
@MariaRitaAlonso

Maria Rita Alonso é jornalista e editora do canal Moda e Beleza do Estadão

MILÃO - “Não entendo por que o mundo da moda é tão blasé e acha cool fazer pose de ‘eu não ligo’, acha bonito não demonstrar entusiasmo, alegria ou amor”, diz Domenico Dolce. “A vida não é nada sem emoção.” Estamos no Bar Martini, em uma de suas lojas, no coração do comércio de luxo de Milão. O desfile de moda masculina da Dolce & Gabbana havia acabado de ocorrer e Dolce parecia emotivo. Sua sociedade com Stefano Gabbana tem mais de 30 anos e os dois vivem hoje uma fase dourada. 

Desde que decidiram dar uma guinada no conceito das coleções, há quatro anos, e acabaram com a segunda marca D&G (que era mais acessível) para investir no universo dos muito, muito ricos, a grife se renovou. Além da linha de prêt-à-porter, eles agora oferecem roupas luxuosas feitas sob medida e apresentadas com toda a pompa – um vestido desses custa em torno de 100 mil euros. 

Dolce e Gabbana se conheceram em Milão, quando trabalhavam na grife Giorgio Correggiari e, em 1985, lançaram a marca própria. Foram casados por 20 anos até 2003, quando decidiram terminar a relação e manter a sociedade.

Autorretrato. Dolce e Gabbana em seu ateliê em Milão
Autorretrato. Dolce e Gabbana em seu ateliê em Milão
Há algumas temporadas, os estilistas ressaltam destinos paradisíacos e históricos da Itália e referências que vão do limão siciliano à Torre de Pisa. É uma moda opulenta, maximalista, decorada e festiva. “Itália é amor, é sangue na veia”, diz Dolce. No final de janeiro, as últimas coleções de alta moda foram apresentadas em um evento que durou três dias e trouxe vestidos inspirados nas óperas do compositor Giacomo Puccini. A passarela foi armada no palco do Teatro La Scala. “Somos italianos, amamos um drama”, diz Gabbana.

A última coleção de alta moda está ligada ao Teatro alla Scala. O que ele significa para vocês?

Dolce: Foi uma decisão arriscada. O Scala é um teatro muito prestigiado, palco de obras incríveis de Puccini, Toscanini, de artistas como Maria Callas e Pavarotti, pelo qual nós temos muito respeito. Quando imaginamos falar de Puccini, um ícone da cultura italiana, pensamos em apresentar a coleção no teatro. Sabia que seria realmente tocante.

Gabbana: Queríamos criar uma experiência nova para nós e para o público. Por isso, trouxemos a passarela para o palco. Da próxima vez, faremos no telhado. (risos)

Em Paris, a alta-costura vem sendo colocada em xeque. Faz sentido apresentar coleções tão exclusivas nos dias de hoje?

Dolce: Aos poucos, nós vamos formando um grupo, como um clube privado. Quando vamos a um costureiro, não é apenas o bordado ou a modelagem que está em questão. A relação do costureiro com o cliente é uma relação íntima, de confiança. Isso é alta moda.

A moda como conhecemos hoje está no caminho certo?

Dolce: Na moda, você busca referências no passado para enxergar melhor o que vem pela frente. Se consegue fazer isso, aí sim, você é moderno e está na vanguarda. Algumas vezes, você pensa que a cultura e a tradição clássica não são atuais. Mas o que é moderno hoje? Para mim, moderno é viver intensamente o momento e criar coisas a partir do que se vive, de acordo com o seu contexto. A moda sobrevive assim.

Qual é o futuro da moda em relação à forma de comunicar novas coleções ao público?

Gabbana: O mundo da moda mudou. A alta-costura não é mais só sobre estética. É sobre a experiência oferecida.

Dolce: Sempre fazemos os desfiles convidando as clientes e a imprensa para algum destino e oferecendo festas. Os clientes querem comprar um lifestyle. Esse é poder de Itália. Nosso estilo de vida é muito atraente.

O escapismo é uma tendência?

Gabbana: Nós precisamos sonhar e oferecer sonhos para a audiência. A fantasia é importante. Nessa coleção, misturamos a severidade e o rigor, que vêm da alfaiataria milanesa, com vestidos pretos incríveis, muito simples, com o visual das heroínas de óperas, aquelas mulheres intensas como a Madame Butterfly, a Tosca. Essa mistura cria um equilíbrio entre o sonho e a realidade.

O desfile da coleção Alta Sartoria da Dolce & Gabbana em Milão
Divulgação
Nos bastidores do desfile da D&G em Milão

O desfile masculino de Alta Sartoria da Dolce & Gabanna, apresentado no último sábado, em Milão, foi bem eclético. Uma linha mais jovem e mais interessante trouxe looks esportivos, que misturam tecidos e texturas em jaquetas, pólos e tricôs casuais e elegantes

Uma conhecida cliente brasileira da Dolce& Gabbana disse certa vez que vocês sabem vestir a mulher latina. Qual é o segredo? 

Dolce: Corte as roupas no lugar certo. Modelar é uma arte de precisão, de encontrar o melhor balanço do tecido no corpo e é preciso estudar como funcionarão as proporções da roupa. Às vezes, você pensa na roupa no manequim e não dá certo. O vestido na manequim está morto. Ele ganha vida quando ganha um corpo. E você precisa tocá-lo do jeito certo, conversar com ele. Um vestido precisa de amor.

Gabbana: Eu também! (risos).

Qual é o gosto da brasileira?

Gabbana: A brasileira ama estampa, estampa, estampa! De preferência com modelagem justa e salto alto. Nós sabemos exatamente o que nossas clientes usam porque vamos sempre aos shoppings. Para criar o prêt-à-porter, andamos pelo mundo vendo o que as mulheres estão usando e aprendemos muito com isso.

O Oriente Médio é um mercado importante e vocês acabam de lançar uma linha para muçulmanas. Como surgiu a ideia? 

Dolce: Quando fomos a Dubai, vimos as roupas que elas estavam usando e pensamos: por que não fazermos alguma coisa especial para elas?

Gabbana: A chamada “roupa globalizada” não funciona. Na Rússia, vendemos casacos de pele porque eles têm frio e para eles é aceitável. Em outros países, é diferente. Nós buscamos entender as diferentes demandas e atendê-las.

Veja fotos da coleção da Dolce&Gabbana desenhada para mulheres muçulmanas
Divulgação
Dolce&Gabbana

Campanha da coleção voltada para mulheres muçulmanas da grife italiana Dolce&Gabbana 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX