Disneylândia lança passeio de submarino ´Procurando Nemo´

Walt Disney Co. investe na renovação de alguns dos passeios mais antigos do parque

Agencia Estado

07 Junho 2014 | 17h54

A Walt Disney Co. lançou na segunda-feira um passeio de submarino inspirado no filme de animação Procurando Nemo em seu parque Disneylândia, com o objetivo de utilizar sua divisão cinematográfica Pixar para reforçar as vendas de ingressos em seus parques temáticos. O público dos parques da Disney subiu para níveis recordes nos últimos dois anos graças à comemoração do 50.º aniversário da empresa. Agora a Disney espera que a renovação de alguns dos passeios mais antigos, injetando neles temas da Pixar, possa manter a força das vendas de ingressos. No ano passado o vice-presidente financeiro da Disney, Tom Staggs, disse que a empresa investiria em seus parques temáticos um pouco mais no ano fiscal de 2007 do que fez no ano anterior, especialmente em atrações derivadas de seus filmes da Pixar. O passeio de submarino Procurando Nemo leva as pessoas numa viagem de 12 minutos, passando por uma barreira de recifes australiana iluminada e uma civilização perdida, para buscar o peixinho que virou célebre no filme de 2003 da Pixar. A atração A Disney usou a estrutura e as embarcações da atração Submarine Voyage, fechada há nove anos, para criar um passeio submarino modernizado que inclui animação original de Nemo que parece ser projetada sobre a água. Os oito submarinos com lugar para 40 passageiros cada, construídos para o passeio original lançado em 1959, foram pintados de amarelo, seus motores passaram de diesel para elétricos, e eles ganharam sistemas de som internos sincronizados com o que se passa do lado de fora diante de cada vigia. Os passageiros ficam sentados debaixo do nível da água no submarino, que percorre uma trilha fixa no parque situado no sul da Califórnia. O analista David Miller, da SMH Capital, estimou na segunda-feira que a modernização do passeio deve ter levado três anos e custado à Disney cerca de US$ 172 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.