Diane, Betty e Fernanda, todas nota 10

Loucas Por Amor, Viciadas em Dinheiro

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2012 | 07h08

15H50 NA GLOBO

(Mad Money). EUA, 2007. Direção de Callie Khouri, com Diane Keaton, Queen Latifah, Katie Holmes, Ted Danson, Stephen Root, Christopher Mcdonald.

Como as três mulheres de Alexandre Borges em Avenida Brasil, Diane Keaton fica pobre, perde as mordomias e vai ser funcionária de limpeza na National Reserve do governo norte-americano. Ao descobrir que notas velhas são incineradas, ela bola plano e coopta colegas (Queen Latifah e Katie Holmes) para roubar dinheiro público. Será que, em tempos de mensalão, é lícito gostar dessa comédia? Se não, roubamos estamos nós, porque é muito divertida. Reprise, colorido, 94 min.

Dupla Implacável

22H30 NA GLOBO

(From Paris With Love). França, 2010. Direção de Pierre Morel, com John Travolta, Jonathan Rhys Meyers, Kasia Smutniak, Richard Durden, Bing Ying, Amber Rose Revah.

De Paris, Com Amor - o título original é mais irônico e remete ao segundo James Bond (From Russia with Love/Moscou contra 007). Assessor do embaixador dos EUA na França ganha novo parceiro e o cara é especialista no combate a terrorista. Embarcam os dois numa aventura movimentada. John Travolta, Jonathan Rhys-Meyers, o diretor Morel... Não se pode dizer que essa turma não sabe o que faz. Inédito, colorido, 92 min.

A Vingança do Mosqueteiro

23 H NA REDE BRASIL

(The Musketeer). EUA, 2001. Direção de Peter Hyams, com Justin Chambers, Catherine Deneuve, Stephen Rea, Tim Roth, Mena Suwari.

Nos últimos anos, o cinema tem revisitado de forma sui generis o clássico de Alexandre Dumas, Os Três Mosqueteiros. A versão mais recente, de Paul Anderson, fez de Milla Jovovich uma Milady de videogame, calcada na série Resident Evil, que ambos produzem há anos. Aqui, a ideia é fazer do jovem D'Artagnan e de seus amigos Athos, Porthos e Aramis heróis de sabre calcados em personagens de filmes de artes marciais. Os puristas reclamam, lembram que Gene Kelly era melhor na versão de George Sidney (de 1949). Sem dúvida, mas não há mal nenhum em curtir a atração da Rede Brasil. Reprise, colorido, 104 min.

Jogos de Guerra e o Homem Que os Deteve

0 H NA CULTURA

(War Games And The Man Who Stopped Them). Polônia, 2009. Direção de Dariusz Jablonski.

A emissora exibe em duas partes, hoje e amanhã, o documentário sobre coronel do Exército polonês que foi agente duplo e entregou ao Ocidente documentos secretos do Pacto de Varsóvia entre 1972 e 81. Quem foi Ryezard Kulinski e por que ele fez isso? O filme procura responder à pergunta. A tese do diretor é que Kulinski, agindo por consciência, pode ter traído seu povo, mas foi um herói da liberdade. Sem as suas revelações, o mundo teria chegado, é possível, ao confronto nuclear. Reprise, colorido, 53 min.

O Outro Lado da Rua

2H25 NA GLOBO

Brasil, 2004. Direção de Marcos Bernstein, Fernanda Montenegro, Raul Cortez, Luis Carlos Percy, Laura Cardoso, Caio Lima, Mauro José.

Coautor (com João Emanuel Carneiro, de Avenida Brasil) do roteiro de Central do Brasil, de Walter Salles, Marcos Bernstein estreou na direção com esta história sobre aposentada que bisbilhota os vizinhos, em Copacabana, e desconfia de que Raul Cortez matou a mulher. Ecos de Janela Indiscreta, o clássico de Alfred Hitchcock, mas a pegada do diretor é outra e ele faz um consistente estudo de personagens. Depois de um longo período, Bernstein conseguiu concluir sua adaptação de O Meu Pé de Laranja Lima - e o filme, belo, está na Mostra. Reprise, colorido, 97 min.

Ambição em Alta Voltagem

3H30 NA REDE BRASIL

(Dead Presidents). EUA, 1995. Direção de Albert Hughes, com Larenz Tate, Keith David, Chris Tucker.

Veterano do Vietnã recruta amigos e resolve realizar o assalto perfeito, com base em táticas de combate que aprendeu no Sudeste Asiático. Uma espécie de Rambo, quem sabe, mas agindo em proveito próprio. Reprise, colorido, 119 min.

TV Paga

Romance da Empregada

16H10 NO CANAL BRASIL

Brasil, 1988. Direção de Bruno Barreto, com Betty Faria, Brandão Filho, Daniel Filho, Paulo Gracindo, Marcos Palmeira, Thelma Reston, Tamara Taxman, Tonico Pereira, Cláudia Jimenez, Zezeh Polessa.

Não existem pequenos papéis e uma prova disso é a Pilar de Avenida Brasil, que Betty Faria criou com tanta graça que a personagem caiu no gosto do público (e cresceu na trama de João Emmanuel Carneiro). Betty é uma atriz que tem brilhado no cinema e na TV. Bruno Barreto fez dela a protagonista de A Estrela Sobe, ofertou-lhe um pequeno papel em Dona Flor e Seus Dois Maridos e de novo fez dela a protagonista deste belo filme que passa na TV paga. Ela é a doméstica oprimida pelo marido bêbado (e desempregado). Conhece biscateiro e ele a estimula no processo de revalorização pessoal. Não por acaso, Betty foi melhor atriz no Festival de Havana. o próprio filme é o melhor do diretor, mesmo que seu maior sucesso seja Dona Flor. Reprise, colorido, 95 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.