Detido um suspeito por tingir água da Fontana di Trevi

Polícia interroga suposto autor de vandalismo contra o monumento, um dos mais famosos de Roma

EFE,

22 Outubro 2007 | 16h34

O italiano Graziano Cecchini, de 54 anos e ligado à extrema-direita, foi denunciado como suposto autor do tingimento de vermelho da Fontana de Trevi, no último dia 19, mas ele nega e afirma que foi confundido fisicamente com o verdadeiro culpado.   Veja também:  Água da Fontana di Trevi em Roma é tingida de vermelho   "Fizeram busca na minha casa e fui interrogado pela Digos (Polícia antiterrorista) por simples semelhança com quem outro dia realizou esse fato", disse nesta segunda-feira, 22, Cecchini, poucas horas depois de ser divulgado que é investigado como suposto autor do vandalismo contra o monumento, um dos mais famosos de Roma.   Segundo policiais, Cecchini foi identificado graças à gravação das câmaras de televisão instaladas na praça, que captaram o momento em que um homem se aproxima da fonte, escolhe o lugar exato, joga o líquido e depois desaparece entre a multidão.   Também se vê como as pessoas no local fogem quando se dão conta da ação, temendo algo mais grave. Em poucos minutos, a água ficou completamente vermelha.   A Polícia acredita que Cecchini não agiu sozinho, mas ajudado por duas ou três pessoas também pertencentes à extrema-direita da capital italiana.   Cecchini, segundo a imprensa local, colabora com o vereador Marco Visconti, da direitista Aliança Nacional. O suspeito foi militante do Movimento Social Italiano (MSI, partido herdeiro do Partido Fascista) e nos últimos anos freqüentou outro grupo da extrema-direita, Força Nova.   Seu advogado, Antonio Pompo, disse hoje que não existem provas "suficientes" para acusar Cecchini. Ele ressaltou que tudo se baseia em fotogramas obtidos de uma câmera de vídeo, nos quais se vê um homem que não tem nada a ver com o cliente.   A ação foi reivindicada por um grupo desconhecido denominado "FTM Azione Futurista 2007", como protesto contra o festival de cinema de Roma e o prefeito, Walter Veltroni.   Hoje, como toda segunda-feira, a Fontana di Trevi foi esvaziada para recolher as moedas jogadas pelos turistas, como manda a tradição. A administração aproveitou para limpá-la a fundo com água quente, para tirar qualquer resíduo do líquido vermelho.

Mais conteúdo sobre:
Fontana di Trevi vandalismo monumento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.