Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Deixa comigo...

Cultura

Cultura

Deixa comigo...

“Que eu faço”, “Resolvo”, “Não vou contar”, “Falo com ele”, “Pago”. Complementado, o “deixa comigo” reafirma confiança. É uma expressão reveladora de como as palavras – além de criarem e balizarem o mundo, garantem compromissos – “fazem coisas”, como aprendi com o filósofo John Langshaw Austin. Há uma obrigação na promessa. O mesmo ocorre quando digo “deixa comigo!”.

0

Roberto DaMatta

20 Janeiro 2016 | 02h00

Mas tudo depende do contexto, senão casar num palco seria um casamento “de verdade”. Mas, em certos momentos, o elo entre o falar e o fazer nivela as distâncias. Falar de sexo é, em certas situações, fazer sexo. Do mesmo modo, os sacrilégios assustam.

Romualdo Flores, católico fervoroso e amigo do coração, ficava chocado ao ouvir as blasfêmias espanholas de Manolo Rivera, um pensador com quem debatemos conflitos intestinos, que iam das guerras civis ao soturno incesto da corrupção federalizada, num seminário internacional sobre a calúnia realizado em Santander, Espanha.

A calúnia faz com que o absurdo abafe a verdade. Ela promove a dúvida. “Eu sabia...”, diz o lado maldoso do seu coração, ao ouvir a aleivosia. Anunciada com veemência, ela intriga porque, como a propaganda, muitos precisam da mentira e do absurdo. Ademais, tudo o que é impresso ou pronunciado em voz empolada, ganha um viés de veracidade. Recentemente, um conhecido foi caluniado e logo descobri que a aleivosia tinha a capacidade de parir um monte de dúvidas. Como o caluniado era velho e honesto, não era sicofanta e dizia o que pensava, não teria ele realmente cometido o crime denunciado pelo caluniador? Quem, afinal seria o f.d.p. – o caluniador ou a vítima? Eis o absurdo que faz com que a calúnia “pegue”. Dizer num solene manifesto que é uma injustiça prender os ladrões do petrolão promove a dúvida que, até hoje, fratura o território que divide bandidos bilionários enriquecidos pelo assalto às instituições públicas, cujas penas deveriam ser dobradas de desdentados ladrões de galinha.

Jogar com o oposto de um caráter ou reputação é um elemento perturbador, pois equivale a arrancar uma máscara. O puritano santimonioso é revelado como um pedófilo; um professor de antropologia é denunciado como preconceituoso. Nada foi mais chocante para alguns meninos da minha geração do que descobrir a sexualidade dos pais, sobretudo da mãe, cujo nome era sagrado.

Pelo mesma lógica, nada pode ser mais decepcionante do que descobrir que o partido nascido dos trabalhadores e liderado por um operário se apaixonou perdidamente pelos muito ricos e a eles entregou as riquezas do País. Parece uma caluniosa ficção, mas, infelizmente, é verdade.

Daí o mal-estar das reversões morais, quando projetos de melhorar o mundo são profanados. A verdade nua e crua – que obriga o mais covarde a tomar uma atitude – produz um efeito semelhante ao da calúnia: essa hipermentira. Prender ladrões do bem comum é como condenar um pai comprovadamente incestuoso. O autorroubo ou a autossabotagem é a negação que tipifica o bandido político e o neurótico clássico estudado e desvendado por Freud. Qual é a lógica por trás de governantes que batem a carteira do povo que governam?

Se os papéis públicos exigem coerência, como resolver essa multidão de atos desonestos que assolam o País? Um pensador com mais inteligência do que o malogrado cronista diria que essa desonestidade tem, de um lado, um laço profundo com o gigantismo centralizador das esferas de poder; e, do outro, a fé ou a crença em fórmulas que resolveriam o Brasil. A crença não depende de experiência. Muito pelo contrário, quanto mais ela é rechaçada pelos fatos e pela vida, mais nela se deve acreditar. O crítico absoluto dos outros é um sujeito perdido no labirinto da sua arrogância. Como o soldado que marcha em passo errado.

“Deixa comigo” dizem as crenças e os amigos de fé dos logros que promovem uma potente solidariedade. Num plano menos visível, porém, o “deixa comigo” é a devolução de um favor. Trata-se do fechamento de um ciclo de reciprocidades, que filtram permanentemente valores e ideais. Se os ideais exigem uma sincera e difícil impessoalidade, o favor dos “deixa comigo” tudo perdoa em nome dos companheiros a quem se deve a devolução de um gesto de simpatia na forma de alguns milhões de dólares.

Volto ao começo.

O “deixa comigo” é primo da impunidade. Afinal, tudo passa e o povo, também sem memória, esquece.

– Acertamos na mosca comprando uma refinaria superfaturada.

– Mas e se descobrirem?

– Não vão descobrir.

– Mas... e se descobrirem?

– Estamos juntos e cobertos pelo gabinete. Ademais, temos os ritos do processo.

PS: O que diz “deixa comigo” está livre, leve e solto. Acaba de chegar de Miami cheio de lembrancinhas para a família. Já o preocupado, passa uma temporada na Papuda, lendo a Bíblia.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

<<<<<<< HEAD
=======
>>>>>>> 12230bb38f84047334c5a5a201e67c050cc5794c
Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.