Começa revisão do patrimônio imaterial

O Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) existe há 75 anos. Hoje vinculado ao Ministério da Cultura, foi criado em 13 de janeiro de 1937, no governo de Getúlio Vargas. Sua origem está vinculada aos intelectuais modernistas. Já em 1936, o então Ministro da Educação e Saúde, Gustavo Capanema, preocupado com a preservação do patrimônio cultural brasileiro, pedira ajuda ao escritor paulista Mário de Andrade. Em seguida, Capanema confiou a Rodrigo Melo Franco de Andrade (que convocou para ajudá-lo intelectuais como Oswald de Andrade, Manuel Bandeira, Afonso Arinos, Lúcio Costa e Carlos Drummond de Andrade) a tarefa de implantar o Serviço do Patrimônio.

O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2012 | 03h03

Já a adoção do conceito de patrimônio imaterial é relativamente recente e tem 25 itens registrados pelo Iphan. O reconhecimento de um bem pressupõe o desejo e o envolvimento dos detentores daquela prática. E esses bens (como a roda de capoeira, o oficio de sineiro, o samba de roda do recôncavo, o jongo, o Círio de Nazaré e os grafismos dos índios Wajãpi) são passíveis de reavaliação a cada 10 anos (esse processo está em vias de começar). / J.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.