Chineses pouco festejam em Frankfurt

O Nobel para Mo Yan pareceu não sensibilizar a maioria das editoras chinesas presentes à Feira de Frankfurt. Apenas a Shangai Literature Publishing House, que lançou seus 16 livros, improvisou um cartaz com duas fotos, felicitando-o. As demais praticamente ignoraram o feito. Já a Insel, que lançou títulos em alemão de Yan, reuniu as obras em uma estante, ornamentada com uma flor. Mo Yan esteve em Frankfurt em 2009, quando a China foi o país convidado. Apesar de sua obra respeitável, teve a presença ofuscada pela polêmica que envolveu a China, criticada principalmente pela limitada liberdade de expressão dos artistas. Yan também foi pouco notado por conta da presença, em um evento paralelo, de Gao Xingjian, Nobel de literatura em 2000, que vive refugiado em Paris. / UBIRATAN BRASIL

O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2012 | 03h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.