Chega ao País CD do Soulive, fenômeno da música moderna

No Place Like Soul (Stax Records) é uma combustão completamente nova

Agencia Estado

12 Junho 2007 | 03h47

Jimi Hendrix encontra James Brown que chama Otis Reding para uma jam, e esse ainda dá um jeito de incluir John Bonham, do Led Zeppelin, na parada. Salada impossível de imaginar? Confira, dê uma chance ao Soulive, um expresso de música black que - depois de abrir shows de gente como Rolling Stones, Dave Matthews e Nicholas Payton, e de ganhar a capa da prestigiosa revista Down Beat - chega a uma região da música que só encontra equivalente em si mesmo, o Soulive. Sua ancestralidade na história da black music é imediatamente reconhecível, tanto que acabam de assinar com a Stax Records, instituição do soul & do funk que abriga, entre outros, Isaac Hayes e Angie Stone. Antes, estavam em outra instituição, só que do jazz, a Blue Note Records. São retrô, mas ao mesmo tempo são moderníssimos. "Quando eu era garoto, Jimi Hendrix era uma referência para mim. Hoje, quando mais ouço, mais aprecio. Agora é uma referência ainda maior, seja como compositor, produtor, letrista, guitarrista", disse ao Estado, em entrevista por telefone, o guitarrista do Soulive, Eric Krasno, que também gosta de João Gilberto, Chico Buarque e Seu Jorge. Krasno tem uma curiosa história. Por pouco não é brasileiro. "Meus pais trabalhavam no Rio de Janeiro, para a Ford Foundation. Quando minha mãe estava com oito meses de gestação, teve complicações para o parto e tivemos de voltar ao Estados Unidos. Eu nasci lá, mas deveria ter nascido no Rio", contou Eric. Durante algum tempo, o Soulive correu o mundo apenas como um trio. Eram Eric, mais o baterista e vocalista Alan Evans e o baixista Neal Evans. Para fazer o novo disco, no entanto, eles incorporaram à banda um cantor de Boston, conhecido simplesmente como Toussaint, o que deu a No Place Like Soul (Stax Records) uma combustão completamente nova. "É engraçado, ouvindo ele cantar parece que sempre esteve com a gente. É um cara que também tem tudo a ver conosco politicamente, socialmente. Não que a gente seja um grupo político, mas nossa música reflete essa nossa convicção, de que o mundo precisa de mudanças." Jazz funk. Acid jazz. Fenômeno da música moderna que desafia catalogações, o Soulive chegou a ser definido como "groove jazz", na falta de um conceito mais preciso. "De fato, é duro de definir. Nós chamamos de soul music, porque é uma característica da soul music abraçar vários gêneros. O fato é que mudamos o que fazemos o tempo todo, e fazemos isso porque o que mais nos estimula é a própria música. E o ato de fazer shows é o que nos mantém também vivos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.