'Casa de Pedra' em favela de SP lembra obra de Gaudí

Fachada da casa do 'seu Estevão' é comparada a obras no mundialmente famoso Parque Güell, em Barcelona

Gary Duffy, da BBC,

18 Outubro 2007 | 11h00

Poucos proprietários de imóveis em São Paulo têm tanto orgulho de onde moram quanto Estevão Silva da Conceição, que passou mais de 20 anos construindo uma casa que é a sua maior paixão.   A Casa de Pedra é uma das construções mais originais da cidade, e fica no coração da favela Paraisópolis, no bairro do Morumbi.   É um lugar mágico com arcos salpicados de pedras e paredes cobertas com todo o tipo de objeto - de pratos, xícaras e estátuas a máquinas de escrever e telefones celulares.   Ela foi construída em um terreno de apenas 75 metros quadrados e tem oito metros de altura. Dentro, uma série de escadas e pequenos corredores levam a um jardim num terraço que tem uma vista impressionante da favela que abriga mais de 70 mil pessoas.   O que parece mais surpreendente é que um homem que nunca ouviu falar do arquiteto catalão Antoni Gaudí (1852 - 1926) tenha construído algo tão próximo do seu estilo.   Com freqüência, sua fachada foi comparada a obras no mundialmente famoso Parque Güell, em Barcelona. Estevão, de 50 anos, começou a construir uma casa para morar, e mais tarde ela se tornou um lar também para sua mulher e seus dois filhos.   Só quando um estudante de arquitetura que passava viu a casa há sete anos é que Estevão percebeu a ligação entre o trabalho dele e o de Gaudí.   Desde então, Estevão visitou a Espanha para ver o trabalho do celebrado arquiteto catalão e sua casa em Paraisópolis se tornou um verdadeira atração.   Em meados deste ano, o interior da casa foi mostrado em artigo na edição brasileira da revista Vogue.   Trabalho em andamento   Estevão começou a vida como agricultor na Bahia, aos dez anos. Aos 19, foi para São Paulo, onde trabalhou como auxiliar de pedreiro e jardineiro.   O projeto da casa começou sem grandes pretensões. "Eu plantei uma roseira e ela ficou bem grande, e eu construí uma estrutura para a casa de uma forma que permitiria que a roseira crescesse. Eu a substituí por outras roseiras, e nunca parei de plantar e construir", afirmou.   Estevão ficou surpreso quando finalmente teve a oportunidade de ir à Espanha. "Quando eu cheguei no Parque Güell é que achei que o trabalho era muito parecido com o da minha casa. E eu pensei: Nossa, como eu consegui construir uma coisa tão parecida com o trabalho dele sem nem ver."   A esposa de Estevão, Edilene, disse que está muito orgulhosa do marido.   "Eu acho que a casa é muito bonita e diferente e as crianças adoram", disse, acrescentando que não se importa que as pessoas apareçam para visitar.   Estevão fez todo o trabalho sozinho e, depois de 22 anos, disse que ainda tem muito ainda pela frente.   Suas idéias evoluíram ao longo dos anos e o projeto sofreu mudanças.   "Quando eu comecei a construir a casa usando madeira, as pessoas costumavam dizer que parecia uma casa de índio. Aí eu comecei a mudar, e a estrutura é feita de ferro".   Ele diz que atualmente todo mundo conhece a Casa de Pedra, e aparecem até visitantes estrangeiros.

Mais conteúdo sobre:
Casa de Pedra Gaudí SP favela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.