1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Camila Pitanga é premiada por 'Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios'

Luiz Zanin Oricchio - O Estado de S.Paulo

15 Abril 2012 | 03h 08

Como Lavínia, atriz venceu os festivais do Rio, Amazonas e Huelva

O filme tem um nome longo e poético: Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios. E a dona desses lindos lábios tem nome bonito e sobrenome ilustre: Camila Pitanga, filha de Antonio Pitanga, um dos atores símbolo do Cinema Novo.

No filme de Beto Brant e Renato Ciasca, que estreia na sexta-feira, Camila é Lavínia, a moça casada com um pastor que vive um tórrido caso de amor com Cauby (Gustavo Machado) na calorenta região amazônica. O filme é baseado no romance homônimo de Marçal Aquino, parceiro habitual de Beto Brant.

Na longa conversa que teve com o Caderno 2 na produtora Trama, situada numa rua da ex-bucólica Vila Madalena, Camila afirma que o papel de Lavínia é, de fato, o mais intenso de sua carreira no cinema. Aquele que a exigiu mais, tanto em termos de exposição quanto de interpretação. "Custou mesmo muito trabalho, viu?", diz. "Depois, eu estava a fim de quebrar aquela imagem de mocinha boazinha da TV", diz, rindo e espichando sílabas. "Queria risco". E risco não é o que falta a essa história.

A personagem é mesmo uma parada federal. Sem entregar muito da trama, pode-se dizer que Lavínia vive duas vidas muito distintas, uma no Rio de Janeiro, e outra, oposta, numa cidade do interior do Pará. Seu relacionamento com Cauby, um fotógrafo, é intenso, dilacerado. Um daqueles amores que causam pena ao espectador, tão fortes e frágeis parecem ser ao mesmo tempo. A situação em que os dois levam essa história de amor também é cheia de energia, conflitos e contrastes. Questões como o desmatamento indiscriminado da floresta e a demarcação de terras indígenas permeiam o filme, mas nunca de forma didática ou eco-chata. Esse caso de amor não poderia ser o que é sem esse contexto.

Camila enfrentou o filme bem consciente de todas essas dificuldades. Sondada para o papel, fez a lição de casa. "Fui a uma livraria e comprei o livro", diz. Leu com atenção o romance de Marçal Aquino. Releu e leu ainda outra vez, até o ponto de decorar diálogos e situações. "Apaixonei-me por aquela história", suspira, sem pieguice porque é história dura e terna.

Acontece que um filme não é um livro. Será preciso, pelo contrário, tirar dele toda a pátina literária para que a história ganhe vida e imagem a partir dos personagens. E será preciso atores, gente de carne e osso, que empreste seu corpo a esses personagens, e lhes dê vida, gozo e sofrimento. Tal é a entrega de Camila à sua Lavínia, em suas várias vertentes, de prostituta redimida à religiosa que abraça uma causa social; de esposa a amante, até que, num dilaceramento final, se converta ao mutismo. Pobre do filme que não tenha intérprete desse quilate. Fica "sem alma". Mas talvez fosse melhor dizer: "sem corpo".

Camila Pitanga sabe bem o quanto toda essa entrega exigiu. Mas teve bons parceiros. A começar pela dupla de diretores e, a seguir, os companheiros de cena, Gustavo Machado, que faz o fotógrafo Cauby, e Zécarlos Machado, intérprete de Ernani.

"Fazíamos as cenas como numa jam session", lembra a atriz. "Depois de muito ensaiar, filmávamos, mas continuando como se estivéssemos ensaiando; quer dizer, criávamos o tempo todo", diz. Quando achavam que estava bom, faziam mais uma tomada, "apenas como garantia". E assim a coisa ia. O estilo de filmagem de Brant e Ciasca prevê longos planos sequência, isto é, sem cortes. Oito minutos seguidos, até terminar a bobina de 35 milímetros. Isso era fundamental para que se completasse na imagem essa relação da história amorosa com os corpos, ou com um corpo em particular, o de Camila.

"A Lavínia é uma mulher dividida, mas não pela culpa ou gratidão em relação ao Ernani; é divida entre dois homens que ela igualmente deseja, com os quais transa, e muito bem", diz Camila. No livro talvez a dimensão cristã da gratidão tenha mais força; no filme, tudo fica ainda mais complexo. Ela realmente não se conforma em abdicar de qualquer dos dois homens, tão diferentes entre si e tão igualmente presentes em seu desejo.

Camila vê ainda outro aspecto em sua Lavínia: "Ela é cindida por um passado do qual é resgatada; sai da cidade e cria uma relação de pertencimento a outro lugar, quando então chega um terceiro personagem, o Cauby, que bagunça tudo; ela se perde quando a escolha fica insuportável."

Mas nem só de sofrimento e dilaceramento vive essa personagem. Camila faz com que Lavínia vibre como um instrumento que pode tocar a nota da dor, mas também a do prazer, da raiva e da meiguice; do entusiasmo e da mais exasperante indiferença. Para tudo redimir com apenas um sorriso solar. Sorriso de lindos lábios.