Brasil investe US$ 10 milhões em 2013

Para ser o país convidado da Feira do Livro de Frankfurt em 2013, que vai incluir a montagem de um grande pavilhão na feira e exposições e shows pela cidade, o Brasil vai investir US$ 10 milhões. O valor é alto, mas se souber aproveitar bem a oportunidade e conseguir dar continuidade, depois de 2013, às atividades já iniciadas, a literatura brasileira só tem a ganhar. É a segunda chance de o País mostrar e exportar a produção de seus escritores - em 1994, o Brasil também foi homenageado. É, ainda, a chance de corrigir, como Milton Hatoum disse ontem, a injustiça literária cometida nos anos 1960 e 1970, quando o País ficou de fora do boom latino-americano.

MARIA FERNANDA RODRIGUES, ENVIADA ESPECIAL / FRANKFURT, O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2012 | 03h09

O escritor, que é também cronista do Caderno 2, participou da coletiva de imprensa em que a organização da feira e representantes do governo brasileiro e da Câmara Brasileira do Livro apresentaram o conceito da participação do Brasil em 2013.

Para Hatoum, a literatura de um país é capaz de desconstruir os velhos e novos estereótipos sobre esse mesmo país. "Cada narrador inventa o microcosmo em que pode expressar as contradições e os impasses de uma sociedade. As vozes desses narradores dão a dimensão de um país complexo, cuja face mais violenta e perturbadora pode ser traduzida como um drama individual ou familiar. Um Brasil de múltiplas faces, de vozes dissonantes e dissidentes."

O medo de que se abuse de clichês é geral. "Ouço muito dizerem que o Brasil não cabe numa gaveta, mas sugiro que deixem suas gavetas fechadas, não pensem só em samba e Ipanema. Utilizem como instrumento o caleidoscópio e vejam as imagens que se formam", disse Jurgen Boos, presidente da Feira de Frankfurt.

O desafio de mostrar toda a diversidade sem cair no clichê samba-carnaval-caipirinha-futebol será de Daniela Thomas e Felipe Tassara, responsáveis pela cenografia do pavilhão de 2.500 m². Lá, haverá exposição dos livros brasileiros publicados no exterior, conversas com escritores, etc.

O estande coletivo estará ainda maior do que o deste ano, ocupando uma área recorde de 500 m². O slogan escolhido foi Brasil em Cada Palavra.

Entre 70 e 80 autores devem viajar à Alemanha para a feira do ano que vem. Alguns, porém, serão convidados para conversas com o público em escolas e bibliotecas antes do evento. Escritores que estão sendo traduzidos ou já foram editados no País devem ter prioridade. O crítico literário Manuel da Costa Pinto será o curador dessa área.

Galeno Amorim, presidente da Biblioteca Nacional, disse que até lá entre 200 e 250 obras terão sido traduzidas com o apoio do novo programa de bolsa da FBN.

Em 2011, a Islândia foi o país convidado, e Rakel Björnsdóttir, gerente do Ministério da Educação, Ciência e Cultura da Islândia, deixa dicas para os brasileiros: fiquem dentro do orçamento, façam tudo simples e mantenham boas relações com os autores em casa. "O sucesso está na simplicidade, não se preocupem com fogos de artifício. Fizemos nosso pavilhão com o coração e deu certo." O valor total foi de 3 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.