Boteco Bohemia volta com mais samba, petisco e cerveja

Melhor Petisco, Melhor Atendimento, Ritual de servir Bohemia e Garçom nota 10 são categorias da competição

Pedro Henrique França, da Agência Estado,

15 Outubro 2007 | 11h51

Patrício Laguna é executivo, tem 38 anos. Ele e um grupo de amigos "filosofavam" na mesa do bar, em um dos happy-hours que promovem mensalmente, sobre um concurso que premiava melhor petisco, atendimento, garçom e o jeito de servir cerveja, em uma disputa que envolvia 31 bares. Isso foi em 2004. Naquele ano, resolveram então que fariam um roteiro pelos tais "botecos". Assim, diz ele, deram início à maratona, que Patrício denomina de "etílica, gastronômica e cultural, pois passa por diversos pontos turísticos da cidade". Começaram com um grupo de 13 amigos - todos homens - em uma mini-van.   Na primeira vez, o formado Clube do Bolinha percorreu um sábado inteiro por 18 bares. Em cada parada provavam o petisco que concorreu no evento e tomavam (jura ele!) "um a dois copos de cerveja". "São muitos bares, se ficarmos bebendo muito não dá tempo de completar o percurso". Completar, na verdade, nunca ocorre. Já a partir do segundo ano, eles passaram a selecionar 15 dos 31 bares concorrentes, pois 18 "ficava muito pesado".   De 2005 até hoje, Patrício faz o roteiro anualmente, mas agora durante o mês em que o evento é realizado: outubro. Na última incursão etílica e gastronômica, a turma saltou para 23. "Desta vez tivemos que recorrer a um mini-ônibus, mas não devemos aumentar mais", diz. E explica: "Procuro limitar por duas razões: uma porque se for muita gente perde-se o contato, e outra porque acomodar mais de 20 pessoas no bar é complicado".   Trata-se do Boteco Bohemia, que chega, em 2007, a sua 4ª edição, iniciada no dia 1º e que segue até o fim de outubro. A tônica do festival está em promover uma saudável disputa gastronômica, mas que não se limita aos pratos. Para entrar na briga, além do Melhor Petisco, outras categorias acirram a competição: Melhor Atendimento, Ritual de servir Bohemia e o Garçom nota 10. Neste ano, a novidade está no fato de que quem escolheu os botecos concorrentes foram os próprios consumidores. O único que teve lugar garantido foi o campeão do ano passado e de 2005, o Bar do Luiz Fernandes, localizado no bairro do Mandaqui, zona norte da Capital.   "Até o ano passado, a gente recebia uma indicação de uma junta de gastrônomos, indicados pelo mestre-cervejeiro Eduardo Maia. Juntos, definíamos a lista dos 31 participantes. Os 21 primeiros colocados permaneciam no evento e reciclávamos os outros 10. Esse ano, democratizamos: o único bar que se manteve foi o campeão", explica Cristiano Schenardi, gerente de Marketing da Bohemia. "Para os outros a gente fez uma lista para votação na internet", acrescenta.   Também entre as novidades, Cristiano destaca o Boteco Cultural, um circuito de apresentações gratuitas de rodas de samba que acontecem nos bares participantes, além do Bohemia Gourmet - roteiro de workshops de gastronomia ministrados por estudantes do curso especializado do Senac-SP. Há, ainda, o projeto Aprendiz de Mestre-Cervejeiro, voltado àqueles que querem saber mais sobre o ritual de degustação das cervejas premium. "O nosso evento é uma homenagem aos bares que fazem tudo de uma forma excelente", conceitua o executivo da marca.   Nomes exóticos   Até o final de outubro, as pessoas que entrarem nos bares participantes observarão logos com a campanha do evento. E certamente não vão deixar de provar - e votar - o tal petisco indicado, assim como as outras categorias. Os nomes e ingredientes das iguarias podem parecer exóticos à primeira vista.   Que tal provar um Rabo escondido? É uma rabada desfiada na cama de angu com queijo meia cura e gratinada com parmesão. Este é o prato concorrente do Bar da Vila, na Vila Mariana, zona sul. E o que pensar de um petisco que chama U qui há do play (filé de tilápia enrolado com bacon, queijo provolone e uva passa)? É possível degustá-lo no Bar do Plínio, na Casa Verde, zona norte. Ou que tal provar uma Dupla kaskuda (lula à dore e camarão ao queijo)? Basta ir até o Siri Kaskudo, no Jaguaré.   A saideira   Os vencedores em todas as categorias serão definidos por voto popular e também por um júri especializado. Os campeões serão conhecidos na já tradicional Festa da Saideira, que acontecerá no Moinho Eventos e já tem datas (10 e 11 de novembro) e shows definidos. Como filosofia do evento, a trilha sonora é mergulhada no samba. No primeiro dia, as bandas Electrosamba e Orquestra Imperial animam a noite, além da atração principal, a sambista Beth Carvalho. Já no domingo, segundo dia da festa, as cantoras Mariana Aydar e Mart'nália esquentam o público. O encerramento fica por conta da dobradinha entre Jair Rodrigues e sua filha, Luciana Mello.   O evento começa cedo, por volta das 14h, e adentra a noite. Na ocasião, serão colocadas tendas dos 31 bares participantes do Boteco Bohemia, que estarão, claro, servindo os tais petiscos. Patrício Laguna conta que sua presença é garantida. Mas desta vez, ao contrário da maratona reservada ao Clube do Bolinha, as mulheres e namoradas também estão convidadas. "É legal, porque lá conseguimos provar os petiscos dos bares que a gente não foi e também dá pra levar a família", diz. No clima de samba, petisco e cerveja, os paulistanos vão aos bares fazer suas avaliações, enquanto aguardam a tradicional saideira.

Mais conteúdo sobre:
Boteco Bohemia cerveja samba petisco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.