Atriz Hilary Swank lança corrida global por água limpa

Meta da maratona é levar água potável a 20 bilhões de pessoas até 2020

Agencia Estado

07 Junho 2012 | 03h38

A atriz Hilary Swank, premiada com o Oscar duas vezes, lançou na sexta-feira uma corrida de revezamento pelo mundo para arrecadar dinheiro e chamar a atenção das pessoas para a escassez de água potável no mundo. A corrida está sendo organizada pela Fundação Corrida pelo Planeta Azul. Cerca de 20 atletas correrão 24 mil quilômetros por 95 dias, passando por 16 países do Hemisfério Norte, acabando em Nova York em 4 de setembro. Os corredores vêm de 12 países, incluindo o Brasil, que será representado pela mineira Laura Furtado, de 43 anos. Os outros participantes são dos Estados Unidos, do Canadá, da República Tcheca, da Índia, do Quênia, da Guatemala, de Israel, da Nova Zelândia, da Holanda, do Japão e da Alemanha. Financiada pela Dow Chemical Co, em cooperação com as Nações Unidas e o Planeta Azul, a meta é levar água potável a 20 bilhões de pessoas até 2020. O custo, informou o fundador e chairman do Planeta Azul, Jin Zidell, é de US$ 30 (R$ 60) por pessoa. Maratona Os corredores viajarão 24.460 quilômetros, com cada um percorrendo 1.200 quilômetros, e mantendo o ritmo por 24 horas, sete dias por semana. De Nova York, os corredores irão para Boston, voarão para a Irlanda e correrão por Reino Unido, França, Bélgica, República Tcheca, Polônia, Belarus, Rússia, Mongólia, China. De lá tomarão um avião para o Japão e outro para São Francisco, para um percurso final no Canadá e em 20 Estados norte-americanos. "E se fosse seu trabalho carregar em um balde enferrujado de metal toda a água que você e sua família usariam no dia?", indagou Hilary a uma audiência nas Nações Unidas. "E se a água o deixasse doente? E se você não tivesse opção?". O Planeta Azul financiou 135 projetos em 13 países, principalmente em áreas rurais, e proporcionou água potável para 100 mil pessoas. A corrida acontecerá a cada dois anos, alterando os Hemisférios Norte e Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.