Artista britânico expõe estátuas no fundo do mar

Jason Taylor cria e deixa no oceano esculturas feitas com arame, aço e concreto

Agencia Estado

22 Junho 2007 | 16h35

As obras parecem tesouros submersos de uma civilização extinta, mas na verdade são esculturas do artista britânico Jason Taylor colocadas no litoral da ilha de Granada, no Caribe. As obras são feitas com arame, aço e concreto, e levadas para o fundo do mar, transformado em Parque de Esculturas. O conjunto das obras da galeria submarina, a profundidades de cerca de sete metros, se chama Vicissitudes. Elas incluem estátuas de crianças de mãos dadas, que formam um recife artificial. O artista quer destacar a importância da relação entre o homem e seu meio ambiente. A estrutura circular da obra não é apenas simbólica, mas serve também para reforçar a resistência às fortes correntes marinhas e marés. As estátuas têm um acabamento que facilita o crescimento de corais. Jason Taylor afirma que a obra representa o processo de mudanças e transformações. A segunda fase do projeto do artista prevê a criação de mais 30 estátuas que serão instaladas em diferentes mares e oceanos para aguardar o crescimento de corais e algas. Depois de 14 meses, Taylor pretende levar as peças para uma galeria de Londres. O artista deseja reuni-las em um círculo para mostrar como o tempo, as circunstâncias e o ambiente deixam marcas nos corpos representados. Formado em Artes em Londres e instrutor de mergulho, Jason Taylor atualmente mora na ilha de Granada e já teve a sua obra exibida em locais públicos como o Regent´s Park, a estação de Waterloo e a Trafalgar Square.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.