Apostas indicam que poeta pode levar o Nobel de Literatura

Anúncio da Academia Sueca será feito nesta quinta, 11, com base em novos nomes e candidatos eternos

Anxo Lamela, da Efe,

10 Outubro 2007 | 10h44

O escritor italiano Claudio Magris, poetas como o sírio Adonis, o sueco Tomas Tranströmer ou o australiano Les Murray, além dos nomes dos autores norte-americanos Philip Roth e Don DeLillo, que há anos figuram na lista de candidatos ao Nobel de Literatura, estão entre os candidatos ao Prêmio Nobel de Literatura que será anunciado na manhã desta quinta-feira pela Academia Sueca.    Especial Prêmio Nobel   As especulações das casas de apostas e a mídia sueca apontam para a possibilidade de a Academia optar desta vez por um poeta. A última eleição de um poeta ao Nobel foi em 1996, com a polonesa Wislawa Szymborska.   Ko Un, da Coréia do Sul, Vizma Belsevica, da Letônia, Inger Christensen, da Dinamarca, e Maryse Condé, de Guadalupe, foram outros nomes que apareceram como possíveis candidatos para suceder ao turco Orhan Pamuk, que era apresentado como o grande favorito do ano passado e acabou levando o prêmio.   Rotação geográfica   Entre os candidatos da prosa, Magris surge com força junto aos habituais, como seu compatriota Antonio Tabucchi, o israelense Amos Oz, o holandês Cees Nooteboom e o checo Milan Kundera.   O critério de rotação geográfica usado em algumas ocasiões pela Academia reforça a possibilidade de que seja um escritor americano, e em particular, dos Estados Unidos, aquele que vai conquistar o prestigioso prêmio.   Além de Roth e DeLillo, outros nomes consagrados aparecem no ranking, como John Updike e Paul Auster, que poderiam tirar de Toni Morrison a condição de última escritora deste continente a ganhar o Nobel, 14 anos atrás.   Bob Dylan, de fora   O critério geográfico pode favorecer também aos principais candidatos de língua espanhola, como o peruano Mario Vargas Llosa ou o mexicano Carlos Fuentes, mesmo que pesem sobre eles os candidatos eternos e o fato de que se incluem no chamado 'boom' da literatura latino-americana, que já foi premiada com o colombiano Gabriel García Márquez em 1982.     Eles também se beneficiam o tempo transcorrido desde o triunfo do mexicano Octavio Paz, em 1990, e a eleição no ano seguinte do espanhol Camilo José Cela. Seu compatriota Francisco Ayala e ao nicaragüense Ernesto Cardenal também figuram entre as opções, mas suas chances são teoricamente mínimas, assim como as do músico norte-americano Bob Dylan.   Porém, não seria a primeira vez que a Academia Sueca surpreenderia com sua decisão, como ocorreu há três anos, com o Nobel concedido à escritora austríaca Elfriede Jelinek, ou por premiar um escritor que parecia que jamais receberia a honraria, como o português José Saramago. Ou ainda, autores que não se dedicaram à ficção literária, como o caso do filósofo britânico Bertrand Russell, ganhador em 1950, e de seu compatriota Winston Churchill, cuja obra histórica lhe valeu o Nobel de Literatura três anos depois.   Polêmicas históricas   A controvérsia tem acompanhado a premiação desde seu nascimento, pela ambigüidade das palavras do criador dos prêmios, o magnata sueco Alfred Nobel, que pretendia distinguir a "obra mais destacada em uma direção ideal". A Academia Sueca interpretou inicialmente o testamento do Nobel de forma textual, rechaçando autores de orientação realista como Henrik Ibsen ou Leon Tolstoi. Porém, isso não evitou que a controvérsia tenha deixado de rodear suas decisões, que às vezes parecem ser guiadas mais por questões politicas ou por critérios como o de rotação geográfica, que por razões estritamente literárias.   Só assim se pode entender que escritores com a esquecida Pearl S. Buck figurem na lista de ausências grosseiras de autores referenciais do século passado, como Jorge Luis Borges, James Joyce, Marcel Proust, Frank Kafka ou Bertolt Brecht.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.