AP Photo/AMC, Gene Page
AP Photo/AMC, Gene Page

Apocalipse zumbi do 'The Walking Dead' questiona evolução humana

Gale Anne Hurd, produtora executiva de The Walking Dead, antecipa detalhes da 3.ª temporada

GABRIEL PERLINE, O Estado de S.Paulo

14 Outubro 2012 | 03h10

Um apocalipse zumbi eclodiu pelo planeta e os mortos, retratados da forma mais asquerosa possível, ganharam uma sobrevida, somada ao desespero dos poucos humanos que restaram e lutam para sobreviver em um mundo em que somente a inteligência e a força não são suficientes para garantir o amanhã. Assim é o cenário da série The Walking Dead, febre da TV americana que atraiu milhões de fãs e chega à terceira temporada nesta terça-feira, no canal a cabo Fox.

Aos desavisados e temerosos sobre a trama, vale o aviso: The Walking Dead não trata somente de zumbis desesperados por comida. A série questiona a evolução da espécie humana e extrai dos sobreviventes a essência primata que os rege para se manter parte integrante entre seus semelhantes, agregando duelos de egos, poder e amores. "Acredito que esse tipo de cenário desperta o que há de melhor no ser humano. É onde você encontra líderes que dão tudo de si para sobreviver e proteger o grupo. E também aflora o lado negativo, pois nunca sabemos a que ponto alguém pode chegar para se manter vivo. Na história temos o personagem Shane (interpretado por Jon Bernthal), um agente da lei, que matou um homem para garantir medicamentos ao filho do melhor amigo, mas depois tenta aniquilar o parceiro", explica Gale Anne Hurd, produtora executiva da série, em entrevista ao Estado.

Ambientes em que a espécie humana é ameaçada por seres desconhecidos não são exatamente novidades para Anne. A relação amorosa com James Cameron nos anos 1980 somente a fez tomar mais gosto pelo gênero, sendo uma das responsáveis por três grandes sucessos de Hollywood: O Exterminador do Futuro (1984), Alien, o Resgate (1986) e O Segredo do Abismo (1989). The Walking Dead é mais um trabalho em que a produtora registra a fragilidade humana. "Desde que era criança eu lia quadrinhos de ficção científica e histórias de horror, que eram muito populares. Comecei a trabalhar com o diretor Roger Corman em 1978, produzindo filmes de baixo orçamento e grande qualidade técnica. Foi perfeito, pois com ele pude dar os primeiros passos nesse universo e cometer logo os meus erros. Além disso, sou mulher e o sucesso de O Exterminador do Futuro foi fundamental para que eu e outras mulheres tivéssemos espaço em produções de ficção científica e de terror", diz.

Nova temporada. A terceira temporada de The Walking Dead estreia com novidades no elenco e cenários. O grupo, liderado por Rick Grimes (vivido por Andrew Lincoln), encontra uma prisão desativada e elege o local como porto seguro de refúgio. Além disso, conhecem o Governador (David Morrissey), homem que lidera uma cidade em que zumbis são feitos de "animais de estimação" e que, na teoria, está livre da fúria da espécie. O personagem se aproxima com boas intenções, mas se revelará mais perigoso que os mortos-vivos e uma ameaça à humanidade. Também entrará na trama Michonne (Danai Gurira), a guerreira encapuzada que salva a vida de Andrea (Laurie Holden) no episódio final da segunda temporada.

"The Walking Dead é uma série com grande flutuação no elenco. Infelizmente, perdemos bons personagens, como Shane, Dale (Jeffrey DeMunn) e Sophia (Madison Lintz). Com a chegada de Michonne, teremos uma mulher com uma personalidade não vista até o momento da história. Eu a considero uma versão feminina do Dale, pois ele não era somente uma pessoa que acreditava na sobrevivência pós-apocalíptica, mas prosperava e era o melhor no grupo a fazer isso. Michonne carrega consigo dois zumbis acorrentados, que não possuem braços e mandíbulas, para passar despercebida pelas hordas de mortos. Carrega consigo uma espada e é totalmente destemida. Com a saída de Shane, o Governador assumirá sua função. A princípio, ele se mostra uma pessoa incrivelmente carismática e charmosa, mas há um grande lado obscuro dentro de si", afirma.

Além do drama da sobrevivência, questões íntimas dos personagens serão mais bem trabalhadas na nova temporada. "Haverá surpresas para todos, pois com 16 episódios teremos a oportunidade de explorar todos os lados dos personagens. O garoto Carl (Chandler Riggs) terá mais visibilidade, mostrando o crescimento da criança após testemunhar uma porção de mortes ao longo da jornada. Ele não conseguiria sobreviver sozinho e agora já consegue manipular uma arma. Além disso, reforço que Michonne e o Governador adicionarão uma série de complexidades para o elenco que retorna da segunda temporada."

E como ficará o casal Rick e Lori (Sarah Wayne Callies), já que ela está grávida e não sabe quem é o pai do bebê? "A segunda temporada terminou de forma complicada, pois a criança pode ser filha tanto de Rick como de Shane. O primeiro se sente culpado por ter matado o amigo e Lori, por sua vez, se sente culpada por se envolver com Shane enquanto o marido era dado como morto. Além disso, ele era como um segundo pai para Carl, que também precisará lidar com a falta do personagem."

Os zumbis, no entanto, não estão longe - e a dificuldade de se manter vivo aumenta a cada dia. O que Gale, especialista em colocar humanos em condições de risco de extinção, faria para sobreviver se estivesse nesse cenário? "Minha arma favorita está no filme Alien. Usaria um lança-chamas e, se possível, com suprimento ilimitado. Acho que estaria segura dessa forma, não?"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.