Aplausos na despedida a Hebe

Cerca de 1.500 pessoas estiveram no velório e enterro da apresentadora, ontem de manhã

ROBERTO NASCIMENTO, O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2012 | 03h08

O corpo da cantora e apresentadora Hebe Camargo foi enterrado às10h30 de ontem no cemitério Gethsemani, no Morumbi. Fãs da apresentadora compareceram ao local e cercaram a trajetória do caixão, enterrado em um jazigo na parte alta do cemitério, aplaudindo e entoando, em coro "Hebe, eu te amo", enquanto amigos e familiares jogavam pétalas de flores.

Foi a manifestação popular mais expressiva durante as homenagens a Hebe, que morreu no sábado, aos 83 anos, e foi velada, sem tumulto, durante a madrugada de ontem, no Palácio dos Bandeirantes. A Polícia Militar presente informou que cerca de 1.500 pessoas compareceram ao velório, aberto ao público.

O corpo deixou o palácio às 10 horas de ontem, carregado pela guarda de honra, e foi levado ao cemitério em um caminhão do Corpo de Bombeiros, coberto por uma bandeira do Brasil e rodeado de arranjos de flores enviados pelos muitos admiradores da apresentadora. A presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, Pelé, Ivete Sangalo, Daniel, Angélica, Luciano Huck e Adriane Galisteu foram alguns dos que enviaram homenagens.

Antes do cortejo, o padre Marcelo Rossi realizou, às 8h30, missa em memória da apresentadora, na qual cantou Como É Grande Meu Amor por Você e Jesus Cristo, de Roberto Carlos, em coro com o público comovido. "Ela me pediu, quando morresse, que tivesse uma missa alegre. Estive com ela na semana passada, na inauguração de uma capela em sua casa. Ela sentia dores, mas estava firme. Foi guerreira até o fim", disse o padre, após a cerimônia. Durante a noite, o movimento foi tranquilo no circuito que começava no portão principal do palácio e passava em frente do corpo. Donas de casa emocionadas percorriam o trajeto diversas vezes. Durante a missa, os fãs presentes puderam parar perto do caixão e orar ao lado dos familiares e amigos da apresentadora. Já no enterro, Claudio Pessutti, sobrinho e empresário de Hebe, disse que "ainda não caiu a ficha" para a família. "A lembrança que fica é de uma mulher alegre, forte e cheia de coragem."

Velório. No fim da noite de sábado, o cantor e compositor Roberto Carlos, o humorista Tom Cavalcante, o prefeito Gilberto Kassab, a apresentadora Ana Hickmann, a ex-jogadora Hortência, o apresentador Serginho Groisman e o candidato à Prefeitura José Serra foram alguns dos presentes ao velório. Silvio Santos tornou-se o centro das atenções ao driblar repórteres (chegou por uma entrada lateral do palácio, enquanto os veículos de imprensa ouviam um depoimento de Gilberto Kassab). Deu, em seguida, um selinho em Hebe. Ao sair do velório, o apresentador foi avistado pelos repórteres e imediatamente cercado por um mar de câmeras e microfones. Inicialmente, nada disse à imprensa; sorriu e pediu para todos seguirem em frente. Enquanto isso, seus seguranças empurravam o circo midiático, que seguiu pelo estacionamento do palácio, com Silvio ao centro, por cerca de 15 minutos, sem rumo (os seguranças não achavam o carro). Quando finalmente percebeu estar sem saída, Silvio cedeu: parou e pediu, em nome de Hebe, que os telespectadores doassem dinheiro para uma maratona televisa de sua emissora.

As declarações de Roberto Carlos, que chegou emocionado ao velório, foram mais solenes. "Hebe vai ficar no meu coração para sempre. E também no coração de todos os brasileiros, de todas as pessoas que amam Hebe profundamente. Eu tenho certeza disso. Ela foi inesquecível."

"Muita emoção?", perguntou uma repórter. "Muita tristeza", respondeu, antes de entrar no palácio e passar cerca de três horas na companhia de seu filho, Dudu Braga, e dos familiares de Hebe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.