Ação do Exército contra extremistas deixa 68 mortos no Paquistão

Mortes são resultado de dois combates dois combates separados na região da fronteira com o Afeganistão

Efe,

07 Outubro 2007 | 13h54

Pelo menos 48 radicais islâmicos e 20 soldados paquistaneses morreram em dois combates separados na região do Waziristão do Norte, no cinto tribal fronteiriço com o Afeganistão, informou neste domingo,7, uma fonte oficial citada pelo canal de televisão Dawn.   O primeiro confronto, que começou no sábado e deixou 30 insurgentes e 10 militares mortos, ocorreu na área de Mirali-Tehsil, quando um grupo de militantes islâmicos atacou um comboio do Exército.   Segundo o porta-voz do Exército paquistanês Waheed Arshad, os militares paquistaneses iniciaram um contra-ataque, em uma operação que continua hoje e deve ser concluída "muito em breve".   Arshad não quis confirmar as informações sobre a morte de quatro mulheres e crianças nesta operação, e acrescentou que as forças paquistanesas "estão atacando os militantes, e não os civis".   Em outra área do Waziristão do Norte, Hassunkhel, novos combates entre as duas partes resultaram na morte de 18 extremistas e 10 soldados.   O Exército paquistanês se transformou em alvo de constantes ataques e atentados de extremistas islâmicos, sobretudo no cinto tribal fronteiriço com o Afeganistão.

Mais conteúdo sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.