Alisson Louback
Alisson Louback

Vladimir Brichta põe à prova seu talento em ‘Bingo – O Rei das Manhãs’

Filme de Daniel Rezende está em cartaz nas salas de cinema do Brasil

Eliana Silva de Souza, O Estado de S. Paulo

27 Agosto 2017 | 03h00

Mineiro de nascimento, baiano de coração, amigo de Lázaro Ramos e Wagner Moura, Vladimir Brichta mal encerrou os trabalhos na novela Rock Story, da Globo, e já está com novo trabalho nas salas de cinema. Ator fala sobre Bingo – O Rei das Manhãs, longa dirigido por Daniel Rezende e que estreou na quinta-feira, dia 24.

Com roteiro de Luiz Bolognesi, Bingo é inspirado na vida do ator e apresentador Arlindo Barreto, estrela da TV nos anos 1990. Na história, Brichta vive Augusto, um ator que tem a chance de se tornar um apresentador de programa infantil de grande sucesso no Brasil, mas terá sempre de se mostrar maquiado de palhaço, não podendo dizer quem está por trás dessa máscara. Terá sucesso, contanto que seja anônimo. 

“Quando li o roteiro, tive uma empatia de cara ao ver um ator sofrendo com o sucesso e o anonimato. Vi que essa era uma das coisas mais valiosas nessa história”, revela Vladimir. “Você é muito bom como palhaço, ganha uma fortuna, mas ninguém nunca vai saber que é você quem faz. Talvez alguma outra profissão lidasse bem com isso, certamente a do ator não.” 

Vladimir lembra como se preparou para viver esse personagem em conflito. “Para entrar nesse mundo, entrei em contato com o Fernando Sampaio, da Cia La Mínima, parceiro do Domingos Montagner, que participam do filme, e ele me falou da tradição do palhaço de picadeiro, que não é clown, e aí entendi como funciona isso. Ele me disse que, para entrar no picadeiro, primeiro tem de combinar uma entrada de palhaço se só então se descobre se tem talendo ou não”, explica. 

Vladimir estreou como palhaço de circo, sim. “Ensaiei com o Fernando, e então fui até um circo e entrei maquiado. Minha expectativa era a de não ser reconhecido e se eu seria engraçado como um anônimo”, conta. 

O ator fala ainda sobre pontos importantes para entrar nesse mundo e poder interpretar um personagem tão singular. “Tive de me ambientar à época, tentar entender como funcionavam os códigos sociais”, explica Vladimir. “Mas a situação do palhaço é a mais emblemática e marcante. Augusto, meu personagem, é o caminho para ele conquistar, a princípio, o sucesso, o reconhecimento.”

Entre as várias fases da história, em um determinado momento, um produtor sugere que Augusto use em seu programa o que faz sucesso em outros países, mas o apresentador quer abrasileirar o conteúdo. Eis a grande sacada do personagem. “Ele tem de subverter a ordem. E Augusto, ao se transformar em Bingo, subverte mesmo ao dizer as verdades mais absurdas, mas de um jeito engraçado. É libertador, é a sua virada.” 

O palhaço montou um programa infantil distinto dos tradicionais, comandando por várias horas, diariamente. “Como o espaço para números de palhaço era pequeno, ele se torna uma espécie de mestre de cerimônia, um apresentador. No filme, buscamos encontrar a medida entre ele ser engraçado, mas sem deixar de contar sua história”, esclarece Brichta, que relembra o momento em que o programa começou a cativar seu público. “Ele precisava prender a audiência e, para isso, teve a ideia de fazer um jogo, no qual as crianças ganhavam determinados prêmios. Só que ele subverte através do humor, da graça, até do politicamente incorreto, usando muito do improviso”, explica. “E o palhaço bebe na fonte, tenta aprender a ser um palhaço de verdade.”

Em sua percepção, Brichta comenta sobre o momento em que se transforma em comunicador. “Ele queria transformar um programa infantil em algo do nível do Chacrinha, Fustão, Silvio Santos. Se não fosse o problema com as drogas, talvez se tornasse em um grande executivo da televisão, pois chega a pensar em até fazer uma novela transgressora”, pontua o ator. 

Brichta classifica seu personagem como uma figura livre e, no seu caso, a liberdade é um despudor, que desponta, por exemplo, na questão sexual na qual se concentram questões morais. “Quando você é um cara comprometido com a desconstrução de determinados dogmas, acaba se tornando uma figura que flerta com uma liberdade sexual, de expressão, o que, em certa medida, resulta em algo mais picante”, explica. “Envolver-se com diversas mulheres em uma noite, por exemplo. Ele se comporta como um fauno. Em outro momento, quando as crianças cantam uma música de duplo sentido, ele acha a maior graça do mundo, revelando esse elemento transgressor”. E finaliza: “quando li o roteiro, na hora entendi que se tratava de um personagem incrível”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.