Divulgação
Divulgação

'Vermelho Russo', com Martha Nowill e Maria Manoella, é destaque da Mostra Internacional de Cinema

O próprio diretor Charly Braun tem dúvida se longa é documentário ou ficção

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2016 | 20h54

Há um momento de Vermelho Russo em que as personagens de Martha Nowill e Maria Manoella discutem e até brigam. Uma joga um livro na outra. Martha e Maria, as personagens, são amigas e foram à Rússia para aprender a interpretar segundo o método de Stanislavski. Sabe aquela coisa de se introjetar no personagem, de buscá-lo dentro de si? Marlon Brando, Montgomery Clift, Paul Newman, Marilyn Monroe (numa fase da vida e da carreira), todos eram atores do ‘método’, que Lee Strasberg desenvolveu, com base em Stanislavski, no célebre Actor’s Studio, nos EUA.

As duas se agridem. Verbal e até fisicamente. O espectador fica meio em dúvida. Martha e Maria não seriam elas, a atrizes? O filme por acaso não se constrói num espaço limite entre ficção e documentário? Para o diretor Charly Braun, sim, e é o charme de Vermelho Russo, que terá sessões na terça, 1º, e quarta-feira, 2, na Mostra. Para ver fora da Mostra, você terá de esperar até março, abril do ano que vem - “Depois do Natal, do Oscar, do carnaval”, anuncia o diretor. A distribuição, já acertada, é da Vitrine de Sílvia Cruz, saudada no Festival de Gramado como a maior distribuidora independente do País.

Mas, enfim, é documentário ou ficção? O próprio Charly Braun tem dúvida. “Ensaiamos a cena, e depois filmamos de forma contínua, uns 40 minutos.” Filmagem em digital, três câmeras. “Martha e Maria são amigas de 20 anos. A cena, como todo o filme, é ficcional, mas não sei se elas não aproveitaram para lavar uma roupa suja. Rolou uma energia agressiva de verdade. Para o filme, foi ótimo.” E, como as duas também são amigas de verdade, o clima pesado ficou só naquilo.

Vermelho Russo ganhou o Redentor de roteiro na competição de ficção do Festival do Rio. Um prêmio meio esquisito, considerando-se que o filme é bastante improvisado. Charly Braun concorda só até certo ponto. “O júri premia o filme, não o processo. Ninguém sabe quanto disso é ficção, quanto é documentário. O que fica é essa sensação de verdade que o filme passa. Para nós, foi ótimo (o prêmio).” O diretor coassina o roteiro com a atriz Martha Nowill.

Na origem de Vermelho Russo, está a viagem que Martha e Maria realmente fizeram à Rússia, no passado, para aprender o método. Martha escreveu, na época, um diário que serviu de base para o roteiro. Mas muita coisa mudou quando a dupla voltou à Rússia. “Até pensamos em usar o velho professor das duas, mas terminamos optando por um ator no papel, Vladimir Poglazov.” No que seria a trama original, Martha e Maria viveram uma experiência enriquecedora e, pelo menos no diário, a primeira diz que ganhou muitos elogios do professor.

“Ao refazer a experiência para a câmera, ficou evidente que elas não estavam mais fazendo o curso, mas representando para o filme.” O resultado é essa obra com ecos de Tio Vânia em Nova York, de Louis Malle, e Looking for Richard, que Al Pacino dirigiu baseado na sua experiências shakespeariana em Ricardo III. Também de Moscou, de Eduardo Coutinho. Sexo, vodca, neve, teatro dentro do cinema. O limite - da ficção e do documentário, das personagens e das atrizes. O falso e o verdadeiro. Às vezes, como dizia Orson Welles, a mentira é a única maneira de se chegar à verdade.

DESTAQUES

'Soy Nero', de Rafi Pitts 

A história de um rapaz mexicano que viveu nos EUA e agora só consegue voltar para lá como clandestino. Ele tenta obter seu green card alistando-se no exército. 

'Então Morri', de Bia Lessa e Dany Roland 

Os diretores vão ao Brasil profundo e focam a vida de várias mulheres, em diversas etapas da vida. É como se contassem a história de uma única mulher, dialogando com as culturas locais e valorizando a luta pela existência em condições bastante adversas. 

'Futuro Perfeito', de Nele Wohlatz

A diretora encontra uma maneira original de mostrar as dificuldades de imigrantes chineses na Argentina para se adaptar ao idioma espanhol e aos costumes de Buenos Aires.

Mais conteúdo sobre:
Cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.