1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Spike Lee pede ação afirmativa de Hollywood e Michael Moore se junta a boicote

- Atualizado: 19 Janeiro 2016 | 22h 52

Diretor foi premiado com um Oscar honorário em novembro

Nesta terça-feira, o diretor de cinema Spike Lee, que lidera uma campanha de boicote ao Oscar de 2016 pela falta de atores negros entre os indicados à premiação, convocou Hollywood a adotar políticas que abordem a questão da diversidade racial nos bastidores e em frente às câmeras.

Lee, que foi premiado com um Oscar honorário em novembro, disse que Hollywood foi deixada para trás pela música e pelos esportes, dizendo que faria sentido para a dinâmica empresarial da indústria do cinema e da TV refletir sobre a diversidade racial dos Estados Unidos.

"Como eu disse em meu discurso ao receber o Oscar honorário, é mais fácil para um afro-americano ser presidente dos Estados Unidos do que ser presidente de um estúdio em Hollywood", escreveu o diretor de "Chiraq" em sua página no Instagram.

O diretor Spike Lee
O diretor Spike Lee

Lee citou a NFL, liga nacional de futebol americano dos EUA, que exige que as equipes entrevistem candidatos pertencentes a minorias para ocupar o cargo de treinador e altos cargos executivos. "Por que não fazer Hollywood fazer o mesmo?", acrescentou.

A convocação de Lee por um boicote na segunda-feira aconteceu após o anúncio das indicações ao Oscar na semana passada, nas quais não há nenhum negro entre os 20 nomes para melhor ator e atriz e coadjuvantes. O diretor Michael Moore disse nesta terça-feira que se juntaria ao boicote, juntamente com Jada Pinkett-Smith, atriz e mulher do ator Will Smith, que não recebeu uma indicação por seu papel em “Um Homem entre Gigantes”.

O debate levou a uma rara declaração da presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, cujos membros votam no Oscar, prometendo grandes mudanças sem, no entanto, especificá-las. "Estou de coração partido e frustrada com a falta de inclusão", escreveu Cheryl Boone Isaacs, que é negra, na noite de segunda-feira. "A mudança não está chegando tão rápido quanto gostaríamos. Precisamos fazer muito mais."

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX