Mario Anzuoni/ Reuters
Mario Anzuoni/ Reuters

Spielberg diz que movimento 'Time's Up' marca momento 'decisivo' da indústria

'Isto é mais importante do que nenhum de nós pode imaginar', disse o diretor, de 71 anos

EFE

19 Março 2018 | 11h44

LONDRES - O diretor americano Steven Spielberg mostrou seu apoio ao movimento contra o assédio sexual Time's Up e disse que se trata de um "momento decisivo" para a indústria do entretenimento.

O cineasta recebeu neste domingo em Londres o prêmio Empire por toda sua trajetória e agradeceu ao Time's Up por seu trabalho na luta contra os abusos e o machismo, informam nesta segunda-feira os veículos de imprensa britânicos.

"Obrigado, 'Time's Up'. Minha mulher Kate e eu apoiamos a causa desde o início. Isto é mais importante do que nenhum de nós pode imaginar", disse o diretor, de 71 anos.

Spielberg, que foi reconhecido por toda sua carreira na capital britânica em prêmios outorgados pelo público, opinou que dentro de dez anos "olharemos para trás e nos daremos conta do momento decisivo que estamos vivendo".

"É extraordinário o que está acontecendo", acrescentou, enquanto expressou seu desejo de que esta iniciativa, respaldada por várias estrelas de Hollywood, "marque o final de como eram as coisas".

O diretor de E.T - O Extraterrestre e A Lista de Schindler disse que acredita que o movimento Time's Up representará "um ponto de não retorno" às desigualdades na indústria cinematográfica.

Além de Spielberg, Daisy Ridley recebeu o prêmio a melhor atriz por seu papel em Star Wars: Os Últimos Jedi - que levou o de melhor filme - e Hugh Jackman, que ganhou o de melhor ator por Logan.

Dafne Keen Fernández, de 13 anos, recebeu o prêmio de melhor atriz revelação por sua interpretação de Laura Kinney/X-23, o clone feminino de Jackman no 10º filme da saga dos X-Men. EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.