1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Somos todos africanos', diz Meryl Streep no Festival de Berlim

- Atualizado: 11 Fevereiro 2016 | 18h 55

Atriz vai presidir pela primeira vez o júri da mostra

BERLIM - Meryl Streep foi soberana na condução da coletiva do júri da Berlinale, na manhã desta quinta-feira, 11. É o primeiro júri da grande estrela de Hollywood, e logo na presidência. “Estou muito entusiasmada de estar aqui. Nunca fiz isso e vou ter de descobrir as exigências da função com meus colegas. Mas não deve ser difícil. Já dirijo uma casa, tenho filhos, marido. É muita gente para administrar. Sou uma boa 'listener' (escuto bastante). Mas no limite, o que vai fazer a diferença é que eles têm um voto cada, e eu tenho dois.”

'Eles' são os companheiros do júri - a fotógrafa Brigitte Lacombe, a diretora Malgorzata Szumowska, a atriz Alba Rohrwacher, os atores Clive Owen e Lars Eidinger e o crítico do The Guardian, Nick James. Ele destacou - “No passado, era frequente a presença de críticos em júris de festivais. Hoje tenho de agradecer à Berlinale pelo que virou uma exceção.” Meryl admite que só deu uma ordem a seus jurados. “Na verdade, foi um pedido. Para que não fizessem lição de casa. A gente vive num mundo super formatizado. Bastaria clicar na rede para obter informações dos filmes concorrentes. Mas isso poderia criar parti-pris. Convenci-os de que seria melhor assistirmos aos filmes com um olhar virgem. Descobri-los juntos.”

A atriz Meryl Streep
A atriz Meryl Streep

Madame presidente admitiu certo egoísmo. “Nem todos os filmes da Berlinale estreiam nos EUA.Vou poder me exibir para meus amigos.” Mais que defesa da diversidade, sua agenda é a inclusão. “Nenhuma diferença de gênero, raça ou crença.” Um jornalista provocou, fazendo que não via nenhum negro na mesa, numa referência ao debate que agita Hollywood (e o Oscar). “Olhem para vocês”, retrucou Meryl. “Eu também não vejo negros entre vocês”, e era verdade, pelo menos naquela plateia de coletiva. E ela aproveitou outra pergunta - sobre o que conhece de cinema chinês, africano? - para marcar posição. “Vi Timbuktu (de Abderrahmane Sissako) e gostei muito. A verdade é que, a despeito de todas as diferenças, temos muito em comum. Já interpretei muitas personagens e há um traço comum, que compõe nossa humanidade. Quanto à raça, somos todos africanos. Tudo começou na África.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX