Angela Weiss/AFP
Angela Weiss/AFP

Oscar comemora 90 anos dividido entre propagar arte ou política

Filme 'A Forma da Água' lidera as indicações com 13 no total, incluindo melhor filme e melhor diretor

Ubiratan Brasil, ENVIADO ESPECIAL

04 Março 2018 | 06h01

LOS ANGELES - Um dilema vivem os organizadores do Oscar, cuja 90.ª cerimônia ocorre na noite deste domingo, 4, a partir das 22h, com transmissão pela Globo e pelo canal TNT: em meio a discussões acaloradas sobre má conduta sexual e abuso de poder, os organizadores da festa querem privilegiar o cinema como arte.

"Queremos torná-la a mais divertida possível – reverente e respeitosa, mas também emocionante”, disse Jennifer Todd, uma das produtoras responsáveis pela cerimônia. “O Oscar deve ser um espetáculo, com performances divertidas.”

A declaração soa estranha, anacrônica até, pois, desde que explodiu a primeira acusação contra o produtor Harvey Weinstein, em outubro, a comunidade cinematográfica (especialmente a americana) colocou em pauta sua indignação – a entrega do Globo de Ouro, no início de janeiro, tornou-se uma manifestação favorável ao movimento Time’s Up, com atrizes vestindo preto para protestar contra o assédio sexual e Oprah Winfrey proferindo um discurso abrasador.

AO VIVO: Todas as novidades sobre o Oscar

Já a premiação dos atores, o Screen Actors Guild, trouxe apenas apresentadoras e foi focada na desigualdade de gênero e outros problemas sociais. E, durante o Bafta, o Oscar britânico, ativistas da violência doméstica, inspirados na campanha Time’s Up, ocuparam o tapete vermelho.

A era #MeToo, porém, não parece sensibilizar os responsáveis pela transmissão de Oscar, cientes da importância e da visibilidade da festa. O recado é: nosso show será focado em filmes, não no momento cultural em torno deles. “Lembrem-se também que o Oscar representa uma grande janela comercial para a indústria do cinema e temos de aproveitar essa 90.ª cerimônia”, enfatiza Jennifer Todd.

Um dos motivos para minimizar o aspecto ativista da festa seria o alegado desinteresse do telespectador: segundo pesquisa da empresa Nielsen, que há anos analisa minuto a minuto a transmissão do evento, há uma fuga de audiência cada vez que algum artista defende uma causa social ou critica algum político.

+++Indicados ao Oscar 2018 são anunciados; veja a lista de candidatos

No ano passado, quando questão de raça era urgente, a cerimônia foi acompanhada na TV por 32,9 milhões de pessoas nos Estados Unidos, a segunda pior audiência desde 1974. A recente transmissão do Globo de Ouro teve uma queda de 5% em relação ao ano passado, enquanto a festa do Screen Actors despencou 30%.

Mesmo assim, são esperados discursos politizados, tanto no tapete vermelho, quando as estrelas deverão exibir pins de apoio ao Time’s Up, como no palco, agradecendo o prêmio. E representantes do Time’s Up anunciam que o movimento terá um espaço durante a cerimônia, informação ainda não confirmada pelos organizadores. Quem terá a mais difícil tarefa, no entanto, será o comediante Jimmy Kimmel, que volta a apresentar a cerimônia.

OSCAR: 90 anos de história em 90 curiosidades

Responsável pelo número de abertura da cerimônia, momento ideal para comentários irônicos, Kimmel confirmou, em diversas entrevistas, que falará sobre assédio sexual. “É complicado, pois a festa tem que começar com cenas divertidas e, quando você trata de determinados assuntos, fica evidente um certo desconforto”, disse ele, que também deverá ironizar Donald Trump.

Mas a cena mais esperada será a volta do casal Faye Dunaway e Warren Beatty. Depois da confusão da troca de envelopes do ano passado, eles deverão, segundo o canal TMZ, revelar novamente o melhor filme. Agora, com mais brincadeiras.

 

Mais conteúdo sobre:
Oscar [prêmio de cinema]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.